QUANDO
TERMINE
A CONTAGEM
REGRESIVA

Capítulo 6
OS QUATRO CAVALEIROS DO APOCALIPSE



QUANDO COMEÇOU A CONTAGEM regressiva para a Terceira Guerra Mundial? Você pode saber a resposta a essa pergunta se você entende o verdadeiro significado dos Quatro Cavaleiros do Apocalipse.

Porém, devido a que o verdadeiro significado desses Quatro Cavaleiros foi erroneamente interpretado e distorcido, as pessoas estão cegas para o que Deus revela sobre a sequência dos acontecimentos que nos levarão à última guerra que os seres humanos causarão.

O significado da palavra “apocalipse” foi mudando ao longo do tempo, como resultado da confusão que o cristianismo tradicional criou com suas muitas interpretações do que João escreveu no livro de Apocalipse. A palavra “apocalipse” surgiu primeiro nos idiomas grego e latim. João usou a palavra grega “apokalyptein” quando escreveu o livro de Apocalipse, uma palavra que significa “descobrir, revelar, tornar conhecido”.

Uns 300 anos depois, quando a igreja católica encomendou uma tradução da Bíblia do grego para o latim, a palavra “apocalipse” começou a ser usada com o significado de “revelação”.

E muito mais tarde, durante o período chamado de inglês médio [nome dado na filologia histórica às várias formas que assumiu a língua inglesa falada na Inglaterra do final do século XI ao final do século XV], esta palavra adquiriu o significado de “visão” e até mesmo de “alucinação”.

Em meados do século XIV, em documentos sobre o significado das coisas escritas no livro de Apocalipse, alguns escritores começaram a usar a palavra “apocalipse” para se referir a catastróficos acontecimentos proféticos e à ideia de que o fim do mundo é iminente.

E nas últimas décadas, o cristianismo tradicional descontextualizou tudo isto, exagerando muito na maneira como eles usam esse vocábulo. Suas interpretações sobre essa palavra expressam a ideia da total destruição do mundo, do fim do mundo, de uma grande e catastrófica tribulação na terra, antes que comece a Terceira Guerra Mundial. E também incluem teorias sobre o Armagedom (a batalha final dos seres humanos, na qual tudo será destruído), e outras interpretações que não fazem nenhum sentido.

E é por causa de interpretações errôneas como essas que certas ideias malucas vêm à mente das pessoas quando elas ouvem falar sobre os primeiros quatro Selos de Apocalipse e sobre os Quatro Cavaleiros que são mencionados na descrição desses Selos.

Os primeiros quatro Selos de Apocalipse, representados por Quatro Cavaleiros, não têm nada a ver com a definição moderna da palavra apocalipse. Essas ideias apocalípticas sobre o fim do mundo são falsas. Todas essas interpretações, ideias e ensinamentos associados aos “Quatro Cavaleiros do Apocalipse” não fazem nenhum sentido!

A verdade é que os primeiros quatro Selos descrevem acontecimentos que já sucederam na Igreja de Deus; acontecimentos proféticos que marcam o começo de uma contagem regressiva muito específica neste tempo do fim. Muitas pessoas ainda estão esperando que os Quatro Cavaleiros do Apocalipse sejam revelados, porque elas não sabem que os acontecimentos que são mencionados na descrição deles já ocorreram.

Para que você entenda do que realmente se tratam esses quatro primeiros Selos, você precisa saber um pouco sobre a Igreja de Deus; uma Igreja que o mundo não conhece. É importante que você saiba o que Deus tem feito através dessa Igreja nos últimos tempos.



Aviso ao mundo

Já faz uns 70 anos que a Igreja de Deus tem estado avisando as pessoas de que estamos no tempo do fim; algo sobre o que está profetizado em toda a Bíblia. A mensagem desse aviso é sobre uma última guerra mundial: uma guerra nuclear. E também sobre a profecia que diz que a Europa, mais uma vez, jugará um papel muito importante nessa grande guerra. A Igreja de Deus começou a pregar essa mensagem logo depois da Segunda Guerra Mundial. E quando as pessoas ouviram essa mensagem muitos pensaram que era loucura pensar que um grupo de nações europeias pudesse se unir, com a Alemanha como líder, para participar de uma terceira guerra mundial. Essa ideia parecia absurda e ridícula. E por isso as pessoas não levaram isso a sério. Afinal, a Alemanha tinha acabado de tentar, sem sucesso, dominar o continente europeu sob o lema “Deutschland über alles” – a Alemanha acima de tudo.

E mesmo agora, depois que importantes acontecimentos proféticos já se cumpriram na Europa - acontecimentos que o Sr. Herbert Armstrong disse que aconteceriam - as pessoas continuam sem levar a sério os avisos sobre o tempo do fim. E repito que, de todas as coisas que o Sr. Herbert Armstrong predisse, a única coisa que aconteceu quando ele ainda vivia foi a formação da União Europeia. Mas isto foi apenas o começo do cumprimento de todas essas profecias.

E foi somente 13 anos depois de sua morte que grande parte dos países europeus formaram uma união monetária, com uma moeda comum, exatamente como ele disse que aconteceria. E em 2018 dez países europeus, esse número exato, assinaram um acordo para a formação de uma aliança militar; exatamente como ele disse que aconteceria.

Durante mais de uma década, a Igreja de Deus intensificou a pregação dessa mensagem, alertando as pessoas sobre o tempo do fim. Mas as pessoas continuam não dando ouvidos a essa mensagem. A tendência da natureza humana é ridicularizar e rejeitar o que a Igreja de Deus tem anunciado desde que ela foi fundada no ano 31 d.C. E, como resultado disso, as pessoas permanecem na ignorância no que se refere aos acontecimentos do tempo do fim.

É difícil para a mente humana acreditar que exista uma fonte com autoridade para saber qual é a vontade e o propósito de Deus para a humanidade. É difícil para qualquer pessoa acreditar que essa fonte seja a verdadeira Igreja de Deus. Uma igreja que permaneceu pequena ao longo dos séculos, enquanto outras organizações que se dizem cristãs cresceram tanto. A tendência da natureza humana é acreditar que quanto maior seja uma organização religiosa, mais provável é que Deus esteja trabalhando através dessa organização.

E é ainda mais difícil para a mente humana acreditar na possibilidade de que milhões de pessoas tenham sido enganadas em relação ao cristianismo tradicional. Porém, isso foi exatamente o que aconteceu ao longo dos séculos.

Neste livro, eu mostrei suficiente provas do que é verdadeiro e do que é falso sobre muitos ensinamentos e doutrinas sobre Deus e sobre Cristo. Todos os que leiam esse livro até o fim terão que tomar decisões muito sérias sobre o que vão aceitar como verdadeiro e o que vão rejeitar como falso. Essas escolhas são muito pessoais. Mas da resposta de cada pessoa a isto dependerá se elas poderão ou não ir à presença de Deus e buscar Sua ajuda e proteção quando a guerra nuclear começar.

E a pergunta é: “Quem dará ouvidos a Deus?” A mensagem de Deus neste tempo do fim é: “Se você der ouvidos a Deus, Ele lhe ouvirá.”

Mas a realidade é que a maioria das pessoas não dará ouvidos ao que está escrito neste livro até que comece a Terceira Guerra Mundial. Isso é uma coisa muito triste, mas Deus revelou que será necessária que haja uma enorme destruição e muitas mortes em todo o mundo para que as pessoas comecem a dar ouvidos a Ele.

E, sabendo como é a natureza humana, pode parecer inútil escrever um livro como este. Especialmente porque Deus revelou qual tem sido a resposta dos seres humanos a Ele ao longo do tempo e que essa resposta continua sendo a mesma hoje. Mas não. Isso não é algo inútil. Porque Deus revelou que quando este mundo for arrastado a esta última guerra então as pessoas começarão a dar ouvidos a Ele.

E por isso a Igreja de Deus continuará avisando as pessoas sobre esta última guerra, da que estamos às portas agora. E quantos mais desses catastróficos acontecimentos tenham lugar, mais as pessoas começarão a ver a verdade. E Deus revela que aos poucos as pessoas começarão a buscar a Deus, a buscar a Sua ajuda para escapar do que está acontecendo. Então elas vão querer saber a verdade.

Mas antes que tudo isso comece a acontecer, também haverá algumas pessoas que escolherão dar ouvidos a Deus e começarão a fazer as mudanças necessárias em suas vidas. Elas aceitarão a verdade. O objetivo de muitas das coisas que estão escritas neste livro é ajudar essas pessoas a se prepararem melhor para o que em breve acontecerá neste mundo e também para ajudá-las a manter a verdadeira esperança em tudo o virá depois que Cristo comece a intervir.

O objetivo do título desse livro, Quando Termine a Contagem Regressiva, é enfatizar a importância do fato de que o tempo se está acabando e que este mundo está vivendo no limiar da terceira guerra mundial. Já não temos muito tempo para nos preparar para o que vai acontecer. E quanto antes você começar a entender essa realidade, melhor você poderá se preparar física, mental e espiritualmente para o que virá.

Neste capítulo, vou falar sobre o que significa essa específica contagem regressiva para o tempo do fim. Para alguns, quanto mais claramente eles puderem ver isso, mais motivados eles estarão a responder rapidamente e fazer as mudanças necessárias em suas vidas. E isso é algo que ajudará a salvar a vida de muitas pessoas.

Há muito tempo atrás, quando Deus libertou os filhos de Israel do cativeiro no Egito, Deus revelou a eles Seu caminho de vida e lhes disse: “Hoje ponho diante de ti a vida e a morte. Escolha a vida!” Deus lhes estava mostrando a importância de tomar as decisões corretas e lhes expressando Seu desejo de que eles tomassem as decisões corretas.

E agora, mais que nunca antes, estamos novamente diante dessa decisão. Agora é o momento de escolher se queremos viver ou não. O fim dessa contagem regressiva para o tempo do fim está muito próximo. E quando isso acontecer, começará uma guerra nuclear. Espero que a explicação de tudo o que envolve essa contagem regressiva possa sacudir as pessoas e levá-las a escolher a vida e a buscar a Deus com toda sinceridade.



Aprendendo a dar ouvidos a Deus

Os seres humanos simplesmente não são capazes de compreender a existência de um Deus todo-poderoso, que sempre existiu e que é o criador de todas as coisas. A mente humana não pode entender tal coisa. A mente humana é limitada e só pode pensar em um nível físico. E não existem leis físicas que possam demonstrar aos seres humanos que existe um Deus com poder ilimitado, sem começo, sem origem. Não podemos entender tal coisa. No entanto, a prova de que existe um Criador está por todas partes ao nosso redor no planeta Terra e no universo.

A mente humana não pode nem mesmo começar a entender a dimensão e a complexidade das coisas que Deus criou. Mesmo com todos os avanços da ciência e da tecnologia nas últimas décadas, ainda estamos somente no começo de nosso aprendizado sobre o universo. A grandeza, o poder e o propósito de Deus são coisas que estão muito além da compreensão dos seres humanos. E é somente quando Deus começa a revelar mais sobre essas coisas a nós que podemos começar a entender mais sobre elas.

Durante milhares de anos o povo de Deus tem anunciado e avisado as pessoas sobre as coisas que Deus lhes revela. Essas coisas que Deus revela a Seu povo são um testemunho claro de como os seres humanos são realmente. Por natureza, os seres humanos simplesmente escolhem não acreditar na verdade que Deus revela. Nem mesmo a verdade sobre nossa natureza.

Porquanto a inclinação da carne [a natureza humana] é inimizade contra Deus, pois não é sujeita à lei de Deus, [ao caminho de vida de Deus] nem, em verdade, o pode ser. (Romanos 8:7).

Muitas pessoas simplesmente não acreditam no que Deus diz sobre a nossa natureza, que a natureza humana está em contra de Deus, de Seus caminhos e de Suas leis. E, ou isso é verdade ou é mentira. O primeiro importante passo para ser libertado da escravidão da nossa natureza egoísta é compreender como é essa natureza.

Deus tem um propósito em ter criado os seres humanos da forma em que Ele nos criou, em nos dar primeiro uma existência física e não uma existência como espírito, como Ele fez com os anjos. Os seres humanos foram criados como uma criação física com o propósito de ter uma natureza humana egoísta. E podemos ver essa natureza nos seres humanos desde muito cedo, logo depois que um bebê nasce. Podemos ver como essa natureza se desenvolve no ser humano desde pequenos, podemos ver como queremos que as coisas sejam feitas do nosso jeito. Nossa natureza nos leva a pensar primeiro em nós mesmos. Somos egoístas. E em nossa tolice nos negamos a aceitar a verdade sobre nós mesmos.

Ora, o homem natural não compreende as coisas do espírito de Deus, porque lhe parecem loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente. (1 Coríntios 2:14).

Deus revela que nossa natureza se rebela contra Seu caminho - Sua verdade - a tal ponto que a verdade de Deus parece loucura para nós.

Mas vejamos as coisas que os seres humanos consideram loucura e as coisas que eles aceitam como verdadeiras e corretas.

Para os seguidores do cristianismo tradicional, as crenças que eles consideram como verdadeiras e corretas são fábulas como o natal e a páscoa. Eles simplesmente aceitam que Cristo esteve no sepulcro somente um dia e meio. Eles aceitam a ideia de que quando as pessoas que vivem uma vida ignominiosa morrem elas são torturadas por toda a eternidade em um lugar que eles chamam de inferno. Eles aceitam a ideia de que Deus é algo assim como os “três mosqueteiros” espirituais, que formam a trindade. Eles aceitam a ideia de que os humanos têm uma alma imortal.

Mas a verdade que vem de Deus, eles consideram loucura. Para eles o fato que que existe somente um Deus Todo-Poderoso e Eterno é uma loucura. O fato de que Cristo esteve no sepulcro exatamente por três dias e três noites, como Deus disse, também é uma loucura para eles. Eles consideram loucura que os seres humanos devem guardar os Sabbats de Deus e não os dias que eles mesmos instituíram como dias sagrados. Eles consideram uma loucura o fato de que o domingo não é o dia em que devemos adorar a Deus. Para eles é uma loucura que os seres humanos não possuem uma alma imortal, mas que Deus vai nos ressuscitar para viver uma vida física novamente. Para eles é uma loucura o fato de que somente Deus tem vida inerente a Si mesmo e que a existência de Cristo só começou quando ele nasceu como um ser humano. Todas essas coisas são loucura para eles.

É por isso que para a maioria das pessoas tudo o que está escrito neste livro parecerá uma loucura. Só Deus pode levar uma pessoa a um ponto onde ela pode começar a dar ouvidos a Ele e entender que o que Ele diz é verdade. E isso é exatamente o que vai acontecer agora, neste tempo do fim. Deus vai começar esse processo e vai dar aos seres humanos a capacidade de começar a dar ouvidos a Ele e entender o que Ele diz, entender a verdade.

Você pode ensinar uma criança a lidar com sua própria natureza egoísta. Essa criança então começa a aprender que nem tudo que ela quer é bom para ela. Ele começa a aprender que um “sim” nem sempre é a resposta que ela obtém quando deseja algo. E à medida que essa criança cresce ela aprende a viver com a realidade de que nem sempre pode ter o que quer.

Mas ainda que os seres humanos possamos aprender a lidar com nossa natureza egoísta, ela nunca desaparece. Ela sempre está em nós. Mas é através da experiência da existência humana que Deus quer nos mostrar um caminho muito, muito melhor: o Seu caminho. Esse processo requer uma mudança que só pode ocorrer com a ajuda de Deus, porque essa ajuda é algo espiritual e só o que é espiritual pode revelar o que é verdadeiro. E então, e somente então, podemos começar a experimentar a verdadeira paz, a verdadeira felicidade e a verdadeira plenitude na vida.

Chegamos ao final dos 6.000 anos que Deus concedeu aos seres humanos, em uma época de grandes avanços da ciência e da tecnologia. E tudo isso faz parte do plano de Deus. Deus planejou quando todo esse conhecimento seria dado aos seres humanos.

Agora chegou o momento para a seguinte importante fase no plano de Deus. Deus nos trouxe aos tempos em que vivemos agora, quando os seres humanos poderemos dar um grande passo e desenvolver uma maior maturidade na nossa existência, na nossa vida.

Mas só podemos dar esse passo através do que Deus permitirá que aconteça aos seres humanos agora, para que possamos aprender quão destrutiva e egoísta nossa natureza é realmente. Por causa da natureza egoísta dos seres humanos o planeta Terra está sendo lentamente destruído. E esse processo se acelera cada vez mais com os avanços da tecnologia.

Até agora Deus impediu que os seres humanos abusem do uso da tecnologia da forma mais definitiva: o uso de armas nucleares em uma guerra. Mas muito em breve Deus permitirá que comece esta última fase dos acontecimentos do tempo do fim. Tudo isso é necessário para humilhar os seres humanos de tal forma que eles possam sair de tudo disso muito mais maduros e com uma mente sã.

Deus revelou que antes que os seres humanos possam começar a dar ouvidos a Ele, eles devem ser humilhados de maneira extrema. E isso só pode acontecer quando o mundo inteiro comece a entender que não podemos resolver nossos próprios problemas e que nosso autoextermínio é uma clara realidade. E será no meio dessa terrível experiência, quando a atitude das pessoas começar a mudar do orgulho à humildade, que Deus começará a manifestar o que Ele tem revelado por meio de Seus profetas e apóstolos durante milhares de anos.

Depois de 6.000 anos, Deus finalmente se manifestará aos seres humanos da maneira mais extraordinária e no momento mais favorável para toda a Sua criação. Deus revelará ao mundo os primeiros membros de Sua família, uma criação na qual Ele tem trabalhado nos últimos 6.000 anos, os 144.000 que regressarão com Cristo.

Quando Cristo foi ressuscitado, ele ressuscitou como espírito, em um corpo composto de espírito. Mas algumas horas depois ele se manifestou em um corpo humano, com a mesma aparência que ele tinha antes de morrer. Depois de ser ressuscitado, ele esteve trabalhando com os discípulos face a face e durante 40 dias ele lhes ensinou mais coisas sobre o que tinha acontecido e sobre o propósito de tudo isso.

Os que serão ressuscitados para a vida espiritual - os 144.000 que virão com Cristo quando ele voltar - também poderão se manifestar com a mesma aparência que eles tinham quando eles ainda eram seres humanos.

As pessoas poderão vê-los e reconhecê-los, porque eles estarão entre os seres humanos em toda a terra como sacerdotes e governantes no Reino de Deus. Qualquer pessoa que esteja lendo isto agora poderá ter a experiência de ver esses sacerdotes e governantes na nova era e talvez até mesmo tenham a oportunidade de conversar com eles.



A Família de Deus e a Igreja de Deus

Antes de explicar sobre essa contagem regressiva, sobre quando e como ela começou, seria melhor explicar primeiro o que vai acontecer quando termine essa contagem regressiva. É importante que você entenda o que Deus planeja fazer quando essa contagem regressiva chegar ao fim, para que você possa valorizar mais a verdade sobre a Igreja de Deus.

Justo antes que termine essa contagem regressiva começará a Terceira Guerra Mundial, uma guerra nuclear. E devo repetir que se Deus não intervir e acabar com essa guerra, os seres humanos se destruíram completamente. Isso é algo que os seres humanos devem compreender.

E logo depois que essa contagem regressiva terminar Deus vai apresentar Sua família aos seres humanos. Porque será a Sua família que estabelecerá o Seu governo em toda a Terra.

Desde o começo da criação, o propósito de Deus sempre foi criar Sua família: ELOHIM. Esse sempre foi o propósito de Deus. Essa continua sendo Sua principal prioridade. De toda a criação do mundo espiritual e do universo físico, o pináculo da capacidade criadora e do poder de Deus é a criação de Sua Família.

O mundo espiritual e o universo físico foram criados a bilhões de anos atrás, mas foi somente nos últimos 6.000 anos que Deus começou a criar Sua Família. Porque essa é a parte mais difícil de toda a Sua criação. Antes de que Deus começasse a trabalhar na criação de Sua família, tudo o que Ele criou no mundo espiritual e no universo físico simplesmente veio a existência como resultado de Seu poder. Nesse processo de criação nada do que Deus criou no mundo espiritual e no universo físico se resistiu à Sua vontade.

No entanto, o processo para criar ELOHIM não é tão simples. Esse processo começou com a criação dos seres humanos, aos quais Deus deu uma mente capaz de tomar suas próprias decisões livremente, mas que também possuem a natureza humana, uma natureza egoísta, desde o nascimento. Deus começou esse processo trabalhando com esses seres humanos, que por natureza estão contra Ele. Uma pessoa escolhe o caminho do egoísmo por natureza. Mas então Deus começa a trabalhar com essa pessoa e revela a essa persona a maneira correta de viver - Seu caminho de vida – o caminho do “dar” em vez de “receber”.

E então essa pessoa deve decidir se ela deseja viver de acordo com o caminho de vida de Deus ou se deseja continuar vivendo como sempre viveu. Mas até que Deus chama uma pessoa e começa a mostrar a essa pessoa os Seus caminhos, essa pessoa não pode compreender a sua verdadeira natureza e não pode compreender a necessidade de escolher um caminho de vida diferente, o caminho de vida que Deus lhe oferece.

Somente aqueles que escolhem voluntariamente viver de acordo com o caminho de vida correto e fazer parte da Igreja de Deus terão a oportunidade de fazer parte da Família de Deus. Uma pessoa deve escolher livremente se deseja ou não fazer parte da verdadeira Igreja de Deus.

O que faz com que a “criação” de Sua família seja tão complexa é o desejo de Deus de trabalhar com seres humanos egoístas para ajudá-los a ver sua feia natureza e dar-lhes a oportunidade de mudar, de transformar suas mentes. Mas não existe outra maneira de criar Sua família, exceto por meio deste processo.

A primeira fase dessa criação começa com a existência humana. A seguinte fase dessa criação começa quando Deus começa a trabalhar diretamente com um indivíduo, na Sua Igreja, a nível espiritual, para moldar e criar nesse indivíduo uma mente nova e madura, e assim mais tarde esse indivíduo possa nascer em Sua família espiritual.

Nos últimos 6.000 anos, Deus tem trabalhado na criação dos primeiros membros de Sua família, um número exato de 144.000 indivíduos que serão ressuscitados e virão com Cristo quando ele voltar para estabelecer o governo de Deus sobre todas as nações. E nos seguintes 1.000 anos, bilhões de pessoas mais terão a mesma oportunidade de escolher o caminho de vida de Deus, de fazer parte da Igreja de Deus e de ser moldado por Deus para ser parte da Família espiritual de Deus.

E depois disso, nos 100 anos depois do Milênio, a grande maioria dos seres humanos que viveram e morreram serão ressuscitados para viver uma segunda vida física. Deus então oferecerá a todos essa mesma oportunidade: todos poderão escolher se querem fazer parte da Família de Deus ou não.

Espero que essa explicação ajude você a entender e apreciar a razão pela qual a atenção de Deus está tão centrada na Igreja neste tempo do fim. Porque nos últimos 2.000 anos Deus tem chamado um grande número de pessoas à Igreja, oferecendo-lhes a oportunidade de ser parte de Sua família. E a maioria das pessoas que Deus chamou à Sua Igreja durante este período de tempo foram chamadas para ser parte dos 144.000 que virão com Cristo.



Tudo gira em torno da Igreja

Se você entende quão importante é para Deus completar esse número de 144.000 indivíduos que virão com Cristo, então você poderá entender a importância que Deus dá à Sua Igreja. Para que Sua família possa governar, a prioridade de Deus agora, mais que qualquer outra coisa, é completar o número de 144.000. Ainda falta alguns que estão sendo preparados para fazer parte desses 144.000. E quando eles estiverem prontos, começará a Terceira Guerra Mundial.

Deus e Cristo estão trabalhando para moldar e formar espiritualmente a mente e o caráter daqueles que farão parte de Sua família. Em uma determinada fase do crescimento espiritual de uma pessoa, Deus decide se essa pessoa atingiu o ponto de maturidade necessário para se tornar parte de Sua Família, da Família de Deus. E quando esse processo é concluído na vida de uma pessoa, então essa pessoa recebe o selo de Deus. E na Igreja de Deus nós chamamos esse processo de “selagem”.

Antes eu expliquei que os acontecimentos anunciados pelas primeiras quatro Trombetas estão relacionados com o começo da Terceira Guerra Mundial e que esses acontecimentos têm que ver com as coisas que ocorrerão nos EUA. Deus revela que há algo que Ele está fazendo, uma importante obra Sua, que primeiro deve ser concluída antes que os quatro anjos possam tocar as primeiras quatro Trombetas e as coisas que elas anunciam comecem a ocorrer.

E, depois destas coisas, vi quatro anjos (com as quatro Trombetas) que estavam sobre os quatro cantos da terra, retendo os quatro ventos da terra, para que nenhum vento soprasse sobre a terra, nem sobre o mar, nem contra árvore alguma. E vi outro anjo subir da banda do sol nascente, e que tinha o selo do Deus vivo; e clamou com grande voz aos quatro anjos, a quem fora dado o poder de danificar a terra e o mar, dizendo: “Esperem! Não façam mal à terra, nem ao mar, nem às árvores, até que tenhamos colocado o selo de Deus na testa de Seus servos”. E ouvi o número dos que receberam o selo de Deus, e eram cento e quarenta e quatro mil, de todas as tribos dos filhos de Israel. (Apocalipse 7:1-4).

Agora a maioria dos 144.000 já receberam o selo de Deus. A maioria deles estão mortos e serão ressuscitados quando Cristo voltar. Deus revela que alguns deles, os que ainda estarão vivos quando Cristo voltar, não experimentarão a morte, mas serão transformados de mortais em imortais em um instante e também receberão a vida espiritual quando Cristo voltar. Essas pessoas agora fazem parte da Igreja de Deus e algumas delas ainda não foram seladas.

Agora tudo o que ainda falta por cumprir antes que comece a Terceira Guerra Mundial está relacionado com a Igreja. O processo de selagem dessas poucas pessoas que ainda faltam ser seladas deve ser concluído, para que os 144.000 estejam completos. E quando isto se cumpra Deus dará a esses anjos que agora estão sendo impedidos de tocar suas trombetas a ordem de que toquem suas trombetas. E então começará a Terceira Guerra Mundial.

Você pode saber quando esses acontecimentos ocorrerão olhando o que acontece na Igreja de Deus.

A Igreja de Deus é tão importante para o plano de Deus que Deus deixou registro de muitas profecias sobre ela. Ha pessoas no mundo que acreditam que o tempo do fim se aproxima e que os acontecimentos proféticos mencionados no livro de Apocalipse em breve se cumprirão. Mas essas pessoas não entendem quando essas profecias se cumprirão, porque muitas dessas profecias estão relacionadas com a Igreja de Deus.

Essas pessoas leem o livro de Apocalipse e pensam que entendem o significado do que elas leem. Mas é exatamente suas interpretações errôneas desses acontecimentos históricos o que as impede ver o quão perto está o fim da presente era. E é por isso que muitas dessas pessoas não se preocupam muito com o que está acontecendo no mundo agora, porque elas acreditam que esses importantes acontecimentos do tempo do fim só sucederão muitos anos mais tarde.

A maioria das profecias do livro de Apocalipse se referem a Igreja de Deus. E se você entende essas profecias, você poderá determinar com mais certeza quando os acontecimentos do tempo do fim ocorrerão.

Logo no começo do livro de Apocalipse Deus revela a importância de Sua Igreja avisando sobre o que aconteceria na Igreja nos seguintes 1900 anos. João escreveu o livro de Apocalipse em meados dos anos 90 d.C. quando ele estava preso na Ilha de Patmos, depois que essas profecias foram reveladas a ele. Isso significa que João já tinha mais de 90 anos quando ele escreveu o livro de Apocalipse.

Uma das primeiras profecias que Deus deu a João sobre a Igreja é algo que poucos parecem entender. Essa profecia fala sobre as diferentes eras da Igreja, que viriam uma depois da outra até o tempo do fim - até a última era da Igreja.

A primeira era da Igreja foi a Era de Éfeso, a era dos primeiros apóstolos. Podemos ler sobre eles no Novo Testamento. Ao longo dos séculos a Igreja passou por tempos muito difíceis, sendo oprimida por muitos. Até mesmo por aqueles que se diziam cristãos. No começo da quinta era da Igreja, a Era de Sardes, surgiram muitas igrejas protestantes como consequência da invenção da imprensa, entre outras coisas. E com o surgimento dessas organizações religiosas, formadas por pessoas que se separaram da igreja católica - que durante séculos tinha sido a religião dominante - a opressão sobre a Igreja de Deus só aumentou.

Como resultado da opressão que a Igreja de Deus sofreu durante séculos, ela enfraqueceu tanto que Deus disse que ela estava espiritualmente morta. E estando a Igreja de Deus nessa condição Deus levantou um apóstolo, o Sr. Herbert Armstrong, para restaurar a verdade à Sua Igreja e revelar à Igreja que estávamos entrando no tempo do fim. E essa era da Igreja, durante a qual o Sr. Herbert Armstrong devia cumprir uma missão que Deus lhe deu, é conhecida como a Era da Filadélfia.

Saber sobre esses acontecimentos e conhecer a história da verdadeira Igreja de Deus ajuda a identificar os profetizados acontecimentos do tempo do fim à medida que eles se cumprem. É importante saber sobre a eras da Igreja de Deus porque, como foi profetizado, os acontecimentos ocorridos na última era da Igreja nos levaram ao começo dessa contagem regressiva para a Terceira Guerra Mundial e para a vinda de Cristo. Foi nessa última era, a Era de Laodicéia, que o mundo foi empurrado aos acontecimentos do tempo do fim. Essa última era da Igreja começou logo depois da morte do Sr. Herbert Armstrong, em janeiro de 1986.

O mundo não sabe nada sobre a Igreja de Deus e muito menos reconhece que ela é a verdadeira Igreja de Deus. E, como eu disse antes, o mundo não reconheceu o apóstolo de Deus, o homem a quem Deus levantou para fazer uma importante obra que nos levaria ao tempo do fim. Deus deu ao Sr. Herbert Armstrong a missão de anunciar ao mundo inteiro as boas novas (o evangelho) de que o Reino de Deus em breve virá. Essa é a mesma “obra” que Josué, o Cristo, disse que se cumpriria no tempo do fim.

Este evangelho [as boas novas] do reino será anunciado em todo o mundo, como testemunho para todas as nações e então virá o fim. (Mateus 24:14).

E logo depois que o Sr. Herbert Armstrong morreu começou a última era da Igreja. Essa última era nos levou ao cumprimento dos acontecimentos mencionados em algumas das profecias mais importantes sobre o começo da contagem regressiva para a segunda vinda de Cristo. Essas profecias falam sobre o começo dos principais acontecimentos do tempo do fim, que ocorreriam na própria Igreja de Deus. Esses acontecimentos são revelados na abertura dos primeiros quatro Selos de Apocalipse.

Como eu disse no começo deste capítulo, esses primeiros quatro Selos também são conhecidos como os Quatro Cavaleiros do Apocalipse. Muitas pessoas pensam que entendem a que se referem esses cavaleiros proféticos, mas a verdade é que nenhuma dessas pessoas entende isto. Existem muitas ideias sobre isto e muitas interpretações disto. Mas essas ideias e interpretações diferem muito umas das outras. Alguns dizem que o primeiro selo se refere a uma religião falsa. Mas o que as pessoas não entendem é que a abertura desse selo foi um acontecimento profético que marcou o começo dessa última contagem regressiva.

E por causa das muitas e errôneas interpretações que existem sobre o significado dos Quatro Cavaleiros e da ideia errônea de que o que é mencionado na sua descrição é uma catastrófica tribulação que ocorrerá na Terra, muitos não podem aceitar a verdade de que estamos vivendo agora no limiar dessa guerra. Eles ainda não veem essa tribulação e não entendem que tudo isso tem que ver com a Igreja de Deus. Para eles essa última guerra mundial parece algo muito distante. Eles não veem os acontecimentos proféticos sendo cumpridos e, por isso eles serão pegos de surpresa quando comece a destruição total dos Estados Unidos, quando os acontecimentos que anunciam as primeiras quatro Trombetas do Sétimo Selo ocorrerem.

Neste livro eu tento deixar bem claro para as pessoas que muitos dos profetizados acontecimentos que nos levarão a esta última guerra já aconteceram. Especialmente os acontecimentos sobre os quais o Sr. Herbert Armstrong começou a falar logo depois da Segunda Guerra Mundial. Já estamos nessa contagem regressiva para o tempo do fim. A verdade é que todos os Sete Selos de Apocalipse já foram abertos, embora os acontecimentos anunciados pelas primeiras Quatro Trombetas do Sétimo Selo não começarão a ocorrer até que todos os 144.000 tenham recebido o selo de Deus.

Como eu já disse várias vezes, o mundo não conhece e nunca conheceu a verdadeira Igreja de Deus. No entanto, a Igreja de Deus é o centro da atenção de Deus e do que Deus está fazendo. Deus deixa bem claro que os acontecimentos relativos à Terceira Guerra Mundial não podem começar até que Ele tenha concluído certas coisas relacionadas com a Sua Igreja. Tão importante é a Igreja de Deus para o cumprimento dos acontecimentos do tempo do fim e para o fim da presente era! Se você entende isto, você poderá entender melhor o Primeiro Selo do Apocalipse. Isso lhe ajudará a entender que, quando esse selo foi aberto uma contagem regressiva para volta de Cristo começou na Igreja de Deus.

E da mesma forma que Deus revelou no livro de Daniel sobre uma contagem regressiva que começou em um momento específico da história e terminou com a primeira vinda de Cristo - uma profecia conhecida como a Profecia das Setenta Semanas - Deus também revela uma contagem regressiva muito específica para a segunda vinda de Cristo

Deus é muito meticuloso e acurado quando se trata de cumprir os tempos proféticos. Ha muitas passagens na Bíblia que falam sobre isso. Eu já falei sobre o fato de que Deus revelou a Cristo que ele, Josué o Cristo, ficaria no sepulcro exatamente três dias e três noites e que Cristo disse aos seus discípulos que este seria o único sinal que seria dado de que ele era o verdadeiro Messias.

Através do profeta Daniel Deus revela a data exata em que o Messias viria pela primeira vez para cumprir uma obra na Terra. Na Profecia das Setenta Semanas (da qual você pode encontrar um esboço no apêndice deste livro), Deus também revela quando Cristo morreria. Nessa profecia, Deus revela que, profeticamente, um dia corresponde a um ano. Essa profecia começa falando sobre um período de tempo muito específico:

Saiba e entenda que, a partir da promulgação do decreto que ordena restaurar e reconstruir Jerusalém até que o Ungido, o líder, venha, passarão sete semanas. Depois disso, passarão sessenta e duas semanas mais. Então Jerusalém será reconstruída, com suas ruas e muros, mas em tempos difíceis. (Daniel 9:25).

Quando a nação de Judá foi invadida e seus habitantes foram levados cativos para a Babilônia, uma grande parte de Jerusalém e do templo foi destruída. Deus usou o exemplo dessa destruição física e o tempo que foi necessário para a reconstrução dos muros de Jerusalém e do templo para revelar uma contagem regressiva para a primeira vinda de Cristo. Este exemplo também é um símbolo profético do cumprimento espiritual de uma contagem regressiva que levaria à segunda vinda de Cristo. Na verdade, através dos profetas do Antigo e do Novo Testamento Deus revela profecias sobre a primeira e a segunda vinda de Cristo e também revela os períodos de tempo para a contagem regressiva para ambas.

O primeiro período de tempo mencionado nessa profecia é “sete semanas”, ou seja, 49 dias. Esses 49 dias correspondem a 49 anos profeticamente. No ano 457 a. C., o rei Artajerjes promulgou um decreto ordenando a reconstrução de Jerusalém. Esta reconstrução sucedeu no tempo de Esdras e Neemias. Foram necessários 49 anos para reconstruir as ruas e os muros da cidade. E isso cumpriu as primeiras sete semanas (49 anos) dessa profecia. Essa obra terminou no ano em 408 a.C.

O seguinte período de tempo mencionado nessa profecia é “sessenta e duas semanas”. Se multiplicarmos esse número por sete (os sete dias da semana), teremos 434 dias proféticos, ou 434 anos. E se contarmos 434 anos a partir do ano 408 a.C., isso nos leva ao ano 27 d.C. (Adicionando 1 ano, já que o ano 0 não existe). Josué, o Cristo, começou seu ministério no ano 27 d.C. e foi morto 3 anos e meio mais tarde, no dia do Pessach do ano 31 d.C. E os seguintes dois versículos de Daniel 9 se referem a esses 3 anos e meio.

Depois das sessenta e duas semanas o Ungido será cortado (morto), e não será mais. (Ele ia morrer como o sacrifício do Pessach por toda a humanidade) ...

Por uma semana ele (o Messias) fará uma firme aliança com muitos. E na metade da semana (3 dias e meio) ele fará cessar os sacrifícios e as ofertas... (Daniel 9: 26-27).

Os antigos profetas, os líderes religiosos e nem mesmo os próprios discípulos sabiam que o Messias viria primeiro para morrer como o sacrifício do Pessach por toda a humanidade. E eles muito menos podiam entender que, ao fazer isso, ele faria com que os “sacrifícios e ofertas” cessassem, fisicamente. Isto significa que com sua morte ele cumpriria as leis do sistema de sacrifícios, abolindo assim essas leis. Quando a Bíblia diz que a lei foi abolida, mais especialmente no livro de Hebreus, isso não se refere aos 10 Mandamentos, mas as leis dos sacrifícios, o sistema de sacrifícios e as leis relacionadas a ele; o sistema levítico que simboliza algo que viria no futuro.

Essa profecia fala sobre a primeira vinda de Cristo. Aqui diz que ele iria cumprir um ministério que duraria 3 anos e meio e que depois ele seria “cortado” (seria morto). Isso é algo fácil de entender. Mas essa profecia também fala sobre acontecimentos que ocorreriam no tempo do fim, embora isso ainda não tenha sido completamente revelado.

Essa contagem regressiva para a primeira vinda de Cristo foi incrivelmente detalhada e exata. E Deus também deu profecias que são muito exatas sobre a contagem regressiva para a segunda vinda de Cristo. Os detalhes dessa contagem regressiva ainda não foram revelados à Igreja de Deus, mas o que Deus sim revelou é que agora essa contagem regressiva está chegando ao fim. Deus nos revelou segmentos de tempo proféticos muito exatos, aos quais devemos estar atentos, estar alertas, para nos ajudar a nos preparar para os acontecimentos que nos levarão ao final da atual contagem regressiva.



O tempo profético para a segunda vinda de Cristo

Durante a Era da Filadélfia, Deus deu a Seu Apóstolo, o Sr. Herbert Armstrong, uma chave profética muito específica para os primeiros quatro Selos de Apocalipse. O Sr. Armstrong entendeu que a Profecia do Monte das Oliveiras era a chave para entender esses quatro Selos. Mas o que ele não pôde entender é que o que os acontecimentos mencionados na descrição desses quatro Selos não se tratam de algo que ocorreria no mundo no tempo do fim.

A Profecia do Monte das Oliveiras são profecias que Cristo disse aos seus discípulos quando eles estavam no Monte das Oliveiras, no último dia de sua vida, na noite do Pessach do ano 31 d.C.

E embora Deus tenha dado essa “chave” ao Sr. Herbert Armstrong, Deus não revelou a ele todo o significado dessas profecias, nem permitiu que ele pudesse usar essa “chave”, porque ainda não havia chegado o momento de abrir os Selos de Apocalipse. O Sr. Herbert Armstrong só pôde entender esses Selos como algo que aconteceria em um nível físico. Deus não permitiu que ele visse que esses selos são proféticos e estão relacionados à Igreja de Deus. E por isso ele pensava que o que é mencionado na descrição do Primeiro Selo se refere a algo físico que ia acontecer no mundo “religioso”, no cristianismo tradicional. Mas isso não foi assim.

Mateus 24 e outras passagens da Bíblia que falam sobre a Profecia do Monte das Oliveiras são paralelas à descrição dos Selos de Apocalipse, em Apocalipse 6. E até mesmo a Igreja de Deus só pôde começar a ver esses quatro primeiros Selos em uma luz diferente, como algo mais do que apenas o cumprimento de certas coisas a nível físico, depois que o Primeiro Selo foi aberto. E não é de se estranhar que as pessoas no mundo pensem que esses Selos se referem a algo a nível físico, a uma grande tribulação a nível físico que acontecerá na Terra.

Como eu disse antes, esses primeiros quatro Selos também são conhecidos como “o tempo dos Quatro Cavaleiros do Apocalipse”, porque as pessoas pensam que eles se referem a uma destruição “apocalíptica”, a nível físico, que acontecerá na Terra. E de fato essa destruição “apocalíptica” virá sobre o mundo quando os acontecimentos anunciados pelas primeiras quatro Trombetas do Sétimo Selo começarem, mas que é mencionado na descrição dos Selos anteriores é uma enorme destruição que aconteceu na Igreja de Deus. Esses Selos foram realmente um tanto “apocalípticos”, mas em um nível espiritual.

Nos seguintes versículos podemos ler sobre uma ocasião em que os discípulos estavam caminhando com Josué nas imediações do templo e então Josué começou a profetizar sobre a Igreja de Deus no tempo do fim. E então o tema da conversa mudou e eles começaram a lhe fazer perguntas sobre o tempo do fim. E Josué respondeu-lhes:

E, quando Josué ia saindo do templo, aproximaram-se dele os seus discípulos para lhe mostrarem a estrutura do templo. Josué, porém, lhes disse: “Não vedes tudo isto? Em verdade vos digo que não ficará aqui pedra sobre pedra que não seja derribada.” (Mateus 24:1-2).

A maioria das pessoas pensa que as coisas que Josué começou a descrever aos seus discípulos aqui são meramente físicas. E essa é uma reação comum aos ensinamentos de Josué, o Cristo. É a reação normal dos seres humanos a tais coisas. Porque os seres humanos, por natureza, só podemos compreender as coisas que nos rodeiam a nível físico, já que não podemos ver nem compreender o que é espiritual. Porque o que é espiritual não pode ser visto e muito menos pode ser medido.

O livro de João está cheio de exemplos disto. Em João 3, podemos ler o que Josué disse a Nicodemos, um importante líder religioso dos judeus. Nicodemos não podia entender do que Josué estava falando quando Josué lhe disse que era necessário que ele “nascesse de novo”, nascesse do espírito. Nicodemos então perguntou-lhe como uma pessoa podia nascer de novo já sendo velha. Ele sabia que não podia voltar ao ventre de sua mãe e nascer de novo.

O cristianismo tradicional interpreta isto erroneamente. Eles pensam que nascer de novo é algo assim como uma “experiência espiritual” que uma pessoa pode ter estando neste corpo físico. Mas aqui Josué se referia a uma mudança literal que deve ocorrer na vida de um ser humano. Essa mudança faz parte do propósito de Deus para os seres humanos. Os seres humanos têm a oportunidade de nascer como seres compostos de espírito para uma existência eterna na Família de Deus.

Em João 4 podemos ler a história da mulher samaritana, uma mulher que Josué encontrou quando ela foi buscar água em um poço. Ele explicou a ela que se ela bebesse da água daquele poço ela ia ter sede novamente, mas ele podia dar a ela a água da vida e que se uma pessoa bebesse dessa água ela nunca teria sede novamente. A mulher então lhe pediu que ele desse a ela um pouco dessa água para que assim ela não tivesse que voltar ao poço todos os dias para buscar água. Ela não entendeu que ele não estava falando sobre a água a um nível físico, mas sobre a oportunidade de beber espiritualmente da “água da vida”, da Palavra de Deus.

Então, em João 6, Josué fala sobre os novos símbolos do Pessach, os quais Paulo explicou mais tarde em 1 Coríntios 11:23. Josué então disse a seus discípulos que eles tinham que comer da sua carne e beber do seu sangue. E em João 6:66 podemos ler que depois ouvir isso muitos de seus discípulos (não os doze) pararam de segui-lo, porque para eles era uma abominação fazer algo assim. O povo judeu sempre obedeceu às leis sobre carnes puras e impuras. Eles sabiam que comer carne humana e beber sangue humano era uma violação evidente e incontestável da lei de Deus.

Mas Josué não estava dizendo que eles tinham que fazer isso no sentido literal. Ele estava começando a guiar seus discípulos à compreensão de algo que ele lhes ensinaria mais tarde sobre a nova maneira de observar o Pessach. Nessa nova cerimônia, eles deveriam beber um pouco de vinho, lembrando seu sangue que seria derramado, e comer um pedaço de pão sem fermento, como um símbolo de sua carne - sua vida física - que seria sacrificada como o sacrifício do Pessach pelos pecados de toda a humanidade.

No livro de João há muitas outras histórias sobre coisas que são erroneamente interpretadas como se fossem algo físico, mas que na realidade são de natureza espiritual. E o mesmo acontece com o que Josué, o Cristo, disse aos seus discípulos sobre as pedras do templo quando disse que todas elas seriam derribadas. Isso não se refere a algo físico, mas a algo de natureza espiritual. Embora o templo físico tenha sido destruído pelos romanos durante a primeira era da Igreja, a Era de Éfeso, Cristo não se referia a isso. Nessa profecia ele fala sobre algo que aconteceria na Igreja no futuro, no tempo do fim.

As pedras do templo mencionadas aqui se referem a algo que é de natureza espiritual. Isso se refere à Igreja de Deus.

Portanto, vocês já não são estrangeiros nem forasteiros, mas concidadãos dos santos e membros da família de Deus, edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, tendo a Josué o Cristo como pedra angular, no qual todo o edifício é ajustado e cresce para tornar-se um templo santo no SENHOR. Nele vocês também estão sendo edificados juntos, para se tornarem morada de Deus no espírito. (Efésios 2:19-22).

Aqui Paulo explica que aqueles a quem Deus chamou à Sua Igreja são parte de um templo espiritual; um templo santo no SENHOR. O apóstolo Pedro também explica isso, de maneira semelhante.

Achegando-se a ele, a Pedra Viva — rejeitada pelos homens, mas escolhida por Deus e preciosa para Ele — vocês também estão sendo edificados como pedras vivas como uma casa espiritual para serem sacerdócio santo, oferecendo sacrifícios espirituais aceitáveis a Deus, por meio de Josué, o Cristo. (1 Pedro 2: 4-5).

Pedro aqui descreve os membros da Igreja de Deus como “pedras vivas” (espiritualmente) que estão sendo edificados como uma casa espiritual. E essa casa espiritual é o Templo de Deus.

Na Profecia do Monte das Oliveiras, quando Cristo diz que as pedras do templo seriam derribadas, ele se refere a algo que ia acontecer na Igreja no futuro. Da mesma forma que quando Cristo disse aos judeus: “Destruam este templo e em três dias eu o levantarei”. Nesta ocasião ele estava falando sobre si mesmo, sobre sua morte e ressurreição. O que ele estava dizendo realmente é que ele permaneceria no sepulcro por três dias e três noites, mas que depois disso ele seria ressuscitado.

Depois que Cristo disse aos discípulos que não ficaria pedra sobre pedra no templo, eles lhe pediram que ele lhes explicasse o que isto significava.

Tendo Josué se assentado no monte das Oliveiras, os discípulos dirigiram-se a ele em particular e disseram: “Dize-nos, quando acontecerão essas coisas? E qual será o sinal da tua vinda e do fim do mundo?” [Da presente era. Isto é o que essa palavra significa em grego]. (Mateus 24:3).

Você entende o contexto dessa profecia? Essa profecia fala de algo que aconteceria na Igreja. E aqui fica claro quando essas coisas iam acontecer. Os discípulos perguntaram a Josué quando essas coisas aconteceriam, quando as pedras do templo seriam derribadas. Pela pergunta que eles fizeram é evidente que eles sabiam que Cristo estava falando sobre sua vinda (em seu Reino) e sobre o fim da presente era. Essa profecia fala sobre coisas que aconteceriam com a Igreja no tempo do fim, pouco antes que Josué, o Cristo, volte para estabelecer seu Reino.

Em outras passagens da Bíblia é evidente que os discípulos queriam saber quando o Reino de Deus seria estabelecido, mas que eles não tinham ideia de que isso não aconteceria enquanto eles ainda tivessem vivos. Eles esperavam que isto fosse acontecer em breve. Então eles ainda não entendiam as coisas que Cristo lhes dizia. Eles não entendiam que ele seria morto. No livro de Marcos esse mesmo episodio é narrado de uma maneira ligeiramente diferente.

“Dize-nos, quando acontecerão essas coisas? E qual será o sinal de que tudo isso está prestes a cumprir-se?” (Marcos 13: 4).

Josué estava falando aos seus discípulos sobre quando ele viria como Rei dos reis no Reino de Deus e sobre o sinal que mostraria a Igreja quando isto se cumprirá. Esse sinal seria algo que teria que ver com a Igreja. Esses acontecimentos e sinais ocorreriam na Igreja de Deus e não no mundo. O seguinte versículo mostra isto muito claramente.

E este evangelho [boas novas] do reino será pregado em todo o mundo como um testemunho a todas as nações, e então virá o fim. (Mateus 24:14).

Nessas narrações podemos ler que Cristo começou a revelar aos discípulos mais coisas que se cumpririam na Igreja de Deus. Depois disto Cristo começou a falar sobre os acontecimentos que antecederiam ao tempo do fim. E aqui é onde Cristo revela um acontecimento muito específico. Esse acontecimento se cumpriu quando a missão que Deus incumbiu ao Seu Apóstolo, o Sr. Herbert Armstrong - como já expliquei antes – foi concluída. Deus cumpriu isso por meio de uma grande obra e o evangelho foi pregado ao mundo inteiro através de revistas e outras publicações e também através de programas de rádio e televisão.

Depois da morte do Sr. Herbert Armstrong, começou a última era da Igreja, a Era de Laodicéia. Na Profecia do Monte das Oliveiras Cristo diz mais coisas sobre esse sinal da sua vinda. E tudo isso se cumpriu exatamente como Cristo disse. Quando os discípulos lhe perguntaram qual seria esse sinal, ele lhes disse exatamente qual seria o sinal de sua vinda, quando começaria a contagem regressiva do tempo do fim.

Portanto, quando virem no lugar santo a Abominação da Desolação da que falou o profeta Daniel, (quem ler isto preste muita atenção), então aqueles que estiverem na Judeia fujam para as montanhas! (Mateus 24:15-16).

Aqui Cristo lhes estava falando do cumprimento - a nível físico - de algo que se conhece como “a Abominação da Desolação”. Isso aconteceu no ano 168 a.C., quando Antíoco IV Epifânio profanou o templo erigindo uma estátua do deus grego Zeus no templo e oferecendo um porco como sacrifício no altar.

Essa profecia de Daniel tem um duplo cumprimento profético. Isso foi cumprido primeiro a nível físico no ano 168 a.C. Mas Cristo explicou a eles que isso também se cumpriria a nível espiritual quando uma Abominação da Desolação ocorresse na Igreja de Deus, no Templo espiritual de Deus.

Este acontecimento seria algo tão devastador para o povo de Deus (aqui referido como Judéia, Judá espiritual, a Igreja) que Cristo disse a Igreja que quando isso acontecesse ela deveria fugir para as montanhas. E vou explicar isto mais adiante, com mais detalhes, mas isto se refere a um período de tempo quando a Igreja se dispersaria. Nas profecias a palavra “montanhas” simboliza os governos. A Igreja de Deus seria dispersada e o governo da Igreja, o ministério da Igreja, também seria dispersado.

Em muitos dos grupos que estão dispersos as pessoas pensam que essas profecias sobre o sinal da vinda de Cristo, que falam sobre uma Abominação da Desolação, se referem a algo que acontecerá na cidade de Jerusalém, no monte do Templo. Alguns acreditam que esses versículos podem começar a se cumprir quando um novo templo seja construído e logo depois profanado. Mesmo que somente algumas pedras sejam erguidas nesse lugar. Alguns acreditam que isso poderia se cumprir simplesmente erigindo um altar nesse lugar para que um porco possa ser oferecido nesse altar. Mas todas essas ideias são tão ridículas e absurdas que é difícil acreditar que existam pessoas que possam considerar isso como uma possibilidade realista.

A Profecia do Monte das Oliveiras é na verdade a chave para entender que os primeiros quatro Selos de Apocalipse estão relacionados com a Igreja de Deus e com o que aconteceria quando uma Abominação da Desolação, em um nível espiritual, fosse cometida na Igreja, o verdadeiro Templo espiritual de Deus. O cumprimento do que está descrito nestes Selos não é uma tribulação física que viria sobre o mundo, mas uma tribulação espiritual que viria sobre a Igreja de Deus.

Mas como algo como uma Abominação da Desolação podia ocorrer na Igreja de Deus? Se você entende o que aconteceu durante a Era de Laodicéia, então você entenderá como uma Abominação da Desolação pôde ocorrer na Igreja de Deus.



A Apostasia e a Abominação da Desolação

Depois que a Igreja de Deus foi fundada no ano 31 d.C., o povo de Deus - incluindo Seus apóstolos - esperaram durante muitos anos que Cristo voltasse para estabelecer o Reino de Deus. Então o povo de Deus não sabia que Cristo só voltaria mais de 1900 anos mais tarde.

Uns 20 anos depois que a Igreja de Deus foi fundada Cristo deu a Paulo mais profecias sobre o sinal da sua vinda.

Irmãos, quanto à vinda de nosso Senhor Josué, o Cristo e nossa reunião com ele, rogamos a vocês que não se deixem abalar nem alarmar tão facilmente, quer por profecia, quer por palavra, quer por carta supostamente vinda de nós, como se o dia do Senhor já tivesse chegado. Não deixem que ninguém os engane de modo algum. Pois esse dia não virá sem que antes venha a apostasia e seja revelado o homem do pecado, o filho da perdição. (2 Tessalonicenses 2: 1-3)

O contexto dessa profecia de Paulo é bem claro, porque aqui ele se refere quatro vezes, e muito especificamente, a quando essas coisas se cumpririam. Observe estas frases:

1) “a vinda de nosso Senhor Josué o Cristo”;

2) “nossa reunião com ele” [a reunião da Igreja - os 144.000 - com Cristo];

3) “como se o dia do Senhor já tivesse chegado”; e

4) "pois esse dia não virá sem que antes....”

Nessa profecia Paulo deixa claro que o que ele diz a continuação está relacionado com algo que todos eles queriam saber: Quando Cristo voltará?

Aqui Paulo diz a Igreja que acontecimentos muito específicos tinham que acontecer na Igreja primeiro, antes que começasse o tempo do fim, antes da vinda de Josué, o Cristo, antes que o Reino de Deus fosse estabelecido. (“Nossa reunião com ele”).

Este aviso que Paulo dá a Igreja é o mesmo que Josué, o Cristo, disse na Profecia do Monte das Oliveiras sobre quando ele virá e quando os acontecimentos do tempo do fim se cumpririam.

Então Josué respondeu e disse-lhes: “Cuidado, que ninguém os engane. Pois muitos virão em meu nome, dizendo: ‘Eu sou o Cristo!’ e enganarão a muitos.” (Mateus 24: 4-5).

E, novamente, isso se refere à Igreja e não ao mundo. O mundo sempre esteve enganado quando se trata da verdade sobre Deus. Porque nunca foi o propósito de Deus revelar Sua vontade e Seu propósito ao mundo. Antes dos tempos de Cristo Deus só tinha revelado Seu propósito a algumas pessoas. E depois dos tempos de Cristo Deus revelou Seu propósito somente a Igreja.

Nesse versículo, Cristo não diz que o mundo seria enganado, porque o mundo sempre esteve enganado. Os únicos que podem ser enganados são aqueles a quem Deus deu Sua verdade. Esse aviso era para a Igreja de Deus, para que ela não perdesse a verdade e fosse enganada.

Cristo estava avisando claramente que uma parte importante do sinal de sua vinda era que muitos tentariam enganar a Igreja. E quem pode vir à Igreja em nome de Josué, o Cristo? Somente o ministério da Igreja! Josué, o Cristo disse que muitos viriam em seu nome e enganariam a muitos na Igreja.

Muito antes que Josué fosse morto em um madeiro, muitos dos que o seguiam já acreditavam que ele era o Messias (o Cristo) que tinha sido enviado por Deus para assumir o governo e libertá-los da opressão dos romanos. E eles queriam saber quando ele faria isso. E mesmo depois de sua morte e ressurreição, eles ainda queriam saber quando ele voltaria para fazer isso.

Depois que Paulo escreveu essa profecia sobre uma apostasia à Igreja, as pessoas se perguntavam: Como poderia ocorrer uma apostasia na Igreja de Deus? Como poderia a Igreja de Deus se afastar da verdade? Como poderia o povo de Deus ser enganado de tal forma que algo da magnitude de uma “apostasia” possa ocorrer na Igreja de Deus? Nessa profecia Paulo fala sobre o que ia acontecer para que isso se cumprisse.

Paulo disse que a primeira coisa que ia acontecer antes da volta de Cristo era uma apostasia. A palavra apostasia é uma palavra do idioma grego que é traduzida de diferentes maneiras. Essa palavra é traduzida como queda, rebelião, revolta, etc. E todas essas definições são corretas e expressam claramente o significado dessa palavra do idioma grego.

A segunda coisa que Paulo disse é que o “homem do pecado, o filho da perdição”, tinha que ser revelado. Na Bíblia somente um outro individuo é chamado de “filho da perdição”. Esse individuo é Judas Iscariotes, que era um dos doze discípulos. Foi ele quem traiu a Josué, o Cristo, por trinta moedas de prata.

A primeira apostasia da que sabemos ocorreu no mundo espiritual, entre os anjos, quando o arcanjo Lúcifer traiu a Deus e convenceu um terço dos anjos a se rebelar junto com ele. Depois disso esse arcanjo ficou conhecido como Satanás. E a verdade é que Satanás foi o primeiro “filho da perdição”, já que os anjos são chamados filhos de Deus, porque Deus os criou. Satanás também foi o primeiro filho do pecado. Ele foi o primeiro ser de toda a criação de Deus a pecar contra Deus. Ele é o autor e criador do pecado.

Nessa profecia Paulo descreve algo incrivelmente atroz, algo que somente uma pessoa poderia fazer na Igreja de Deus. E Paulo diz mais coisas sobre o que esse homem do pecado faria.

Não deixem que ninguém os engane de modo algum. Pois esse dia não virá sem que antes venha a apostasia e seja revelado o homem do pecado, o filho da perdição. Ele se oporá e se exaltará acima de tudo que leva o nome de Deus e é digno de adoração. E até mesmo se assentará no templo de Deus, fazendo-se passar por Deus. (2 Tessalonicenses 2:3-4). [E em grego a palavra que aqui é traduzida como “fazendo-se passar por” significa “mostrar-se como, exibir-se, deixar-se ver”].

Se você sabe que essa profecia se refere à Igreja de Deus, então é evidente que isto se refere a uma pessoa que ocuparia um cargo de autoridade na Igreja de Deus e que seria capaz de exercer influência sobre outras pessoas na Igreja. A Igreja foi avisada que ela deveria estar alerta contra qualquer um que tentasse enganar as pessoas na Igreja, que tentasse afastar as pessoas da verdade que Deus lhes revelou.

Aqui diz que este homem se exaltaria acima de Deus. E isso foi exatamente o que Satanás fez no reino espiritual. Ele queria exercer poder e influência sobre os outros anjos. Ele pensava que suas ideias e sua maneira de fazer as coisas eram melhores do que os caminhos de Deus. E então ele começou a trabalhar contra os caminhos de Deus e a seguir o seu próprio caminho.

Aqui também diz que este homem do pecado se oporia a Deus. E, novamente, isto foi o que Satanás fez no reino espiritual. Ele se opôs a Deus e aos caminhos de Deus. Seu nome significa “adversário”. O que significa que ele está contra Deus e trabalha contra o plano e o propósito de Deus. E da mesma forma o homem do pecado, o filho da perdição, se levantaria na Igreja de Deus e trairia a Deus e a Cristo, tornando-se um adversário. Ele obraria contra Deus e contra Cristo.

Essa profecia de Paulo se tornou bem conhecida na Igreja, pois as personas sabiam que isso tinha que acontecer antes de que Deus revelasse quando Cristo vai voltar. As pessoas sabiam que um indivíduo, um membro do ministério da Igreja de Deus, se levantaria e começaria a trabalhar contra a Igreja de Deus, contra Deus e contra Cristo.

O apóstolo João também escreveu sobre esse homem do pecado referindo-se a ele como o Anticristo. João usou o exemplo desse homem do pecado para ensinar à Igreja que, embora eles tivessem ouvido que um profético anticristo viria (referindo-se ao que Paulo escreveu sobre o homem do pecado, o filho da perdição), já havia muitos anticristos na Igreja de Deus. A Igreja sabia que o anticristo viria. João escreveu isso muitas décadas depois que Paulo avisasse a Igreja sobre o Anticristo. Então já havia indivíduos, ministros, na Igreja que tinham se rebelado contra Cristo. Eles se tornaram anticristos, mas eles não eram o Anticristo.

A descrição “homem do pecado e filho da perdição” deixa bem claro que esse indivíduo trairia a Deus e a Seu Filho, Josué. Seu pecado e traição seriam tão hediondos que aqui diz que ele “se faria passar por Deus”. Essa expressão mostra que se trata de alguém que teria muita influência na Igreja para levantar (como na idolatria) seus próprios caminhos e ensinamentos acima das coisas que Deus deu à Igreja.

E isso foi exatamente o que aconteceu durante a última era da Igreja - a Era de Laodicéia. A profecia diz que essa apostasia que ocorreria na Igreja seria o sinal de que a contagem regressiva para a vinda de Cristo tinha começado e que agora seu regresso estava próximo.

A traição cometida pelo filho da perdição, o indivíduo que se rebelou contra Deus e contra Cristo, foi a causa da “Apostasia” que ocorreu na Igreja de Deus na última era da Igreja. Com suas ações esse individuo cumpriu, a nível espiritual, a “Abominação da Desolação” da que Cristo fala na Profecia do Monte das Oliveiras. A nível físico, essa abominação foi a destruição e profanação do templo de Deus cometida por Antíoco Epifânio no ano 168 a.C. A nível espiritual, essa abominação foi a destruição e profanação do Templo espiritual de Deus, a Igreja de Deus, quando ocorreu a Apostasia.



A chegada do homem do pecado

Durante a Era da Filadélfia, Deus levantou o Sr. Herbert Armstrong como Seu Apóstolo para Sua Igreja e lhe confiou a missão de cumprir o que Cristo disse que ocorreria pouco antes do tempo do fim. Sua missão era pregar o evangelho em todo o mundo. E isso foi feito através da publicação de milhões de exemplares de brochuras e livros. Todos os meses, mais de oito milhões de exemplares da revista A Pura Verdade eram impressos em vários idiomas e enviados a lugares de todo o mundo. Esta obra também incluía o programa O Mundo de Amanhã, que era transmitido mundialmente por rádio e televisão. Algo inédito na época.

Aos 80 anos de idade, a saúde do Sr. Herbert Armstrong começou a se deteriorar e a natureza humana carnal começou a se manifestar entre alguns dos ministros que trabalhavam na sede da Igreja. Alguns ministros pensavam que eram mais importantes do que outros porque eram responsáveis ​​por diferentes projetos e congregações da Igreja. Esses ministros viam ao Sr. Herbert Armstrong como um homem idoso e frágil e começaram a pensar em quem ia substituí-lo. Entre eles estavam vários evangelistas e até mesmo o próprio filho do Sr. Herbert Armstrong, Garner Ted Armstrong.

Em meados da década de 1970, um espírito incorreto começou a invadir a vida de muitos dos ministros e eles começaram a competir entre eles por cargos mais altos, por poder, por reconhecimento. Eles então começaram a preparar o caminho para uma mudança doutrinária na Igreja. Isto era o começo do que Cristo avisou enfaticamente em suas profecias que aconteceria ao ministério da Igreja no tempo do fim. Cristo disse: “Muitos virão em meu nome e enganarão a muitos”. Isso é algo que só podia ocorrer na Igreja de Deus e que devia vir do ministério, pois os ministros são os únicos que podem vir na autoridade do nome de Cristo. Isso não se refere ao engano que aconteceria no mundo, não se refere àqueles que já estão enganados.

Alguns desses ministros, incluindo alguns evangelistas, tiveram de ser destituídos das suas funções e foram expulsos da Igreja, porque eles se rebelaram contra as verdades que Deus e Cristo tinham revelado ao Sr. Herbert Armstrong. Assim foi como muitos anticristos apareceram na Igreja de Deus. Mas isto ainda não era a chegada do Anticristo. E no meio de todos esses problemas e confusão, milhares de pessoas abandonaram a Igreja de Deus seguindo alguns desses ministros.

Durante a última década da sua vida, o Sr. Herbert Armstrong teve que lidar com muitos conflitos que começaram a surgir na Igreja, principalmente no ministério. E não somente no ministério, mas os piores conflitos surgiram com pessoas que estavam diretamente debaixo de da autoridade do Sr. Armstrong na Igreja. Indivíduos que tinham sido ordenados como evangelistas ao longo dos anos, a maioria deles tinham sido alunos Sr. Armstrong quando o Ambassador College (a universidade da Igreja) foi fundado.

As disputas pelo poder começaram dentro da Igreja, embora tudo isso acontecesse nos bastidores. Porque era cada vez mais evidente que o Sr. Herbert Armstrong ia morrer antes da vinda de Cristo e que alguém tinha que ocupar seu lugar como líder da Igreja de Deus. E por mais difícil que seja imaginar que algo assim pudesse acontecer na Igreja de Deus, isso revelou a condição espiritual na que muitos na Igreja já estavam: o espírito de Laodicéia.

As coisas chegaram a tal ponto que o Sr. Herbert Armstrong já não podia confiar em um dos evangelistas da Igreja, uma pessoa que tinha trabalhado no ministério da Igreja por muito tempo. Ele não sentia que podia confiar a esse individuo um dos cargos mais importantes na organização da Igreja. Ele então chamou a um ministro de uma das congregações para trabalhar na sede da organização Igreja de Deus Mundial em Pasadena, Califórnia. Esse homem, Leroy Neff, era ministro da congregação da Igreja em Houston, Texas, e tinha demostrado ser um ministro fiel, uma pessoa de confiança. E então o Sr. Herbert Armstrong o nomeou tesoureiro da Igreja, porque sentia que não podia confiar este cargo a nenhum dos evangelistas.

Mesmo sabendo que em breve ia morrer o Sr. Herbert Armstrong não sentia que podia transferir suas responsabilidades para nenhum dos evangelistas. Evangelista era o cargo mais alto na administração da Igreja, depois de seu próprio cargo. Ele então transferiu suas responsabilidades para um homem que durante muito tempo tinha trabalhado no ministério, em uma das congregações da Igreja.

O Sr. Herbert Armstrong estava impressionado com a carreira desse homem e o chamou para trabalhar na sede da Igreja. Antes disso, esse indivíduo tinha trabalhado somente como ministro na congregação da Igreja em Pasadena, Califórnia. Esse ministro era o Sr. Joseph Tkach sênior, e o Sr. Herbert Armstrong colocou a esse homem como responsável do ministério da Igreja em todo o mundo, porque ele não se atrevia a confiar esse cargo a nenhum dos evangelistas.

Deus estava permitindo que Satanás provocasse desconfiança, suspeitas, ciúmes, afã de poder e até mesmo divisão doutrinária na sede da Igreja. A Igreja estava se enfraquecendo espiritualmente e se dirigia á Era de Laodicéia, porque as pessoas eram cada vez mais orgulhosas e confiavam mais nelas mesmas do que em Deus. A Igreja estava pronta para uma apostasia; algo sem precedentes em seus quase 1.950 anos de história.

Já no final de sua vida, quando ele já não podia sair de casa devido a problemas de saúde, o Sr. Herbert Armstrong tratava os assuntos da Igreja principalmente com o Sr. Joseph Tkach sênior. Quanto mais a saúde do Sr. Herbert Armstrong se deteriorava, mais responsabilidades o Sr. Joseph Tkach assumia na administração da Igreja. Eles disseram a Igreja que quando o Sr. Herbert Armstrong entendeu que ia morrer em breve ele transferiu toda a responsabilidade da liderança da Igreja para o Sr. Joseph Tkach sênior.

E finalmente chegou o momento da completa transição de uma era da Igreja a outra. Em janeiro de 1986, quando o Sr. Herbert Armstrong morreu, essa transição foi concluída e uma nova era começou para a Igreja de Deus. A Era da Filadélfia tinha chegado ao fim e começou a Era de Laodicéia, a última era profética da Igreja.

Agora o Sr. Joseph Tkach sênior era o líder da Igreja de Deus. No começo, ele parecia concordar com a maneira de liderar e com os ensinamentos do Sr. Herbert Armstrong. Ele parecia permanecer fiel às verdades que Deus tinha dado à Igreja através do Sr. Herbert Armstrong.

Mas no final da década de 1980 e começo da década de 1990 isso começou a mudar. Ele então começou a fazer mudanças administrativas na Igreja; mudanças que no começo pareciam não ter muita importância, mas que na realidade eram muito importantes.

Durante seus primeiros anos como líder da Igreja de Deus, o Sr. Joseph Tkach sênior começou gradualmente a dar mais importância a si mesmo e ao seu papel na organização da Igreja, escolhendo pessoas mais jovens para o ministério e, ao mesmo tempo, tentando minar a importância do papel de outras pessoas que tinham ocupado cargos de maior responsabilidade durante o ministério do Sr. Herbert Armstrong.

Uma atitude de arrogância tomou conta das pessoas da Igreja, principalmente daqueles que o Sr. Joseph Tkach sênior tinha colocado em cargos de liderança. Entre eles estava seu próprio filho. Essa era uma atitude de prepotência, as pessoas se davam ares de importância, estavam cheias de soberba e orgulho espiritualmente. Elas pensavam que eram ricas e prósperas espiritualmente. E isso, somado à condição já debilitada da Igreja, resultou em um estado de mornidão e complacência espiritual, como Cristo tinha avisado que aconteceria com a última era da Igreja: a Era de Laodicéia. E a combinação de tudo isso foi desastrosa para a Igreja.

Em sua profecia sobre a apostasia, Paulo diz que o homem do pecado, o filho da perdição, “se assentaria no templo de Deus, fazendo-se passar por Deus”. Esta parte da profecia de Paulo revela muitas coisas. O templo de Deus ao que Paulo se refere não é o antigo templo de Jerusalém, que foi destruído. Muitos que tentam explicar esses versículos cometem um grave erro ao relacionar isto ao templo físico. Mas em outra de suas cartas Paulo deixa bem claro que o templo ao que ele se refere é o Templo espiritual: a Igreja de Deus.

A palavra “assentar-se” revela que esse indivíduo estaria no templo: na Igreja de Deus. Isso não é algo em um nível físico, como alguém que se assenta em uma cadeira, estando em um edifício, mas é algo de natureza espiritual que está relacionado com o Templo espiritual: a Igreja de Deus.

Ninguém pode estar no Templo de Deus se não é parte da Igreja de Deus. No entanto, esta descrição implica muito mais coisas. Nesse contexto, essa expressão descreve alguém que ocupa um cargo de autoridade na Igreja, alguém que tem autoridade. Nesse contexto, essa palavra na língua grega significa “instituir, nomear ou outorgar a uma pessoa autoridade para governar”.

Vejamos alguns exemplos do uso dessa palavra na Bíblia:

Ao que vencer, lhe concederei que se assente comigo no meu trono, assim como eu venci e me assentei com meu Pai no Seu trono. (Apocalipse 3:21)

Josué lhes disse: “Digo-lhes a verdade: quando todas as coisas sejam restauradas e o Filho do homem se assentar em seu trono glorioso, vocês que me seguiram também se assentarão em doze tronos, para julgar as doze tribos de Israel. (Mateus 19:28).

Já no final da sua vida, o Sr. Herbert Armstrong reconheceu que Deus nunca lhe disse claramente quem devia ocupar o seu lugar na Igreja quando ele morresse. Mas, como eu disse antes, ele finalmente transferiu toda a responsabilidade da liderança da Igreja para o Sr. Joseph Tkach sênior. No tempo do fim, somente um homem foi nomeado, foi designado, para ocupar um cargo de muita autoridade na Igreja de Deus, mas esse homem nunca foi um apóstolo de Deus.

A traição do filho da perdição causou a Apostasia na Igreja de Deus. O que ele fez foi o cumprimento espiritual da Abominação da Desolação da que Cristo fala na Profecia do Monte das Oliveiras.



O acontecimento concreto: a Apostasia

O Sr. Joseph Tkach sênior começou a dar a pessoas jovens e inexperientes cargos importantes na administração da Igreja. Essas pessoas não tinham muita experiência no ministério e eram principalmente novatos. E assim se formou um novo grupo de ministros que se apoiavam mutuamente e cuja mentalidade que se opunha às coisas do passado.

Este grupo se converteu em uma espécie de irmandade secreta que estava determinada a transformar a Igreja em algo mais parecido com as igrejas do cristianismo tradicional. Esses homens, que tinham uma espécie de aversão ao Sr. Herbert Armstrong e seus ensinamentos, começaram a levar a toda a Igreja em uma direção diferente. Muitas de suas atividades ocorriam “nos bastidores” e só vieram à tona em 1995.

No entanto, já em 1992, muitos dos que antes eram membros do ministério da Igreja eram cientes das grandes mudanças doutrinais que estavam sendo planejadas e que seriam apresentadas à Igreja. Mas essas pessoas não fizeram nada para prevenir a Igreja ou o ministério da conspiração que estava ocorrendo na sede da Igreja. Essas pessoas não se opuseram ao que estava acontecendo.

Nos dois anos que se seguiram, algumas pessoas começaram a conspirar sobre como afastar a Igreja da verdade que Deus nos havia dado por meio do Sr. Herbert Armstrong. Eles tentaram depreciar a memória do Sr. Herbert Armstrong. Alguns começaram até mesmo a destruir as cópias de seus livros e panfletos que ainda estavam armazenadas em grandes quantidades na sede da Igreja. Eles já tinham começado a fazer planos para mudar o conteúdo das brochuras da Igreja, anunciando as importantes mudanças doutrinárias que fariam com que a doutrina da Igreja fosse mais afim á doutrina das igrejas do cristianismo tradicional. E o Sr. Joseph Tkach sênior e seu filho, Joseph Tkach júnior, foram os que lideraram esta conspiração para mudar as doutrinas da verdadeira Igreja de Deus, levando a Igreja pelo caminho do falso cristianismo.

Esse grupo de ministros, que planejavam em segredo destruir a Igreja de Deus, tinha planejado apresentar essas mudanças nas novas brochuras. Mas eles foram pegos de surpresa quando o Sr. Joseph Tkach sênior anunciou essas mudanças à Igreja muito antes do planejado. Durante uma visita às congregações da Igreja em Atlanta, em Geórgia, o Sr. Joseph Tkach sênior foi confrontado com problemas e rumores sobre essas mudanças e então ele teve que tomar a decisão de falar sobre essas mudanças naquele exato momento para evitar mais problemas. Ele então mudou o conteúdo do sermão que ele ia dar e anunciou essas mudanças para a Igreja.

Mas isso é algo que só se soube mais tarde. Ele tinha planejado dar um sermão completamente diferente do sermão que ele deu naquele dia em Atlanta. As coisas estavam sucedendo mais rápido do que esse grupo de conspiradores tinha planejado e o Sr. Joseph Tkach se viu obrigado a informar à Igreja sobre essas mudanças. E foi por isso que nesse dia, o dia 17 de dezembro de 1994, ele deu um sermão completamente diferente do sermão que ele tinha planejado dar.

Nesse sermão, que foi gravado e enviado a todas as congregações da Igreja em todo o do mundo, o Sr. Joseph Tkach sênior informou à Igreja de Deus que as doutrinas mais importantes da Igreja estavam sendo mudadas. Além desse sermão que ele deu na congregação de Atlanta ele deu dois outros sermões sobre esse mesmo tema nos seguintes Shabbats semanais. A mensagem desses três sermões era praticamente a mesma: o anúncio dessas importantes mudanças na doutrina.

No sermão que ele deu em Atlanta, ele disse que guardar o Sabbath no sétimo dia da semana era uma escolha pessoal de cada um. Ele disse que as pessoas podiam continuar guardando o Sabbath no sétimo dia da semana (no sábado), como todos estávamos acostumados a fazer, ou podiam guardar o primeiro dia da semana (o domingo), como nas igrejas do cristianismo tradicional. Ele disse que isso já não deveria ser considerado um mandamento de Deus.

E ele disso o mesmo sobre os Dias Sagrados anuais de Deus. Ele disse à Igreja que já não devíamos considerar como um mandamento de Deus guardar os Dias Sagrados, embora a maioria das pessoas da Igreja iam continuar fazendo isto, mais por uma questão de tradição do que como um mandamento. Ele também disse que já não estava proibido para a Igreja celebrar o natal e a páscoa, como antes. Ele anunciou muitas outras mudanças. Além disso ele disse que as leis de Deus que dizem que não devemos comer carnes que são impuras para os seres humanos já não estavam em vigor.

Não é necessário dizer que esse sermão foi a máxima expressão de uma grande Apostasia! Aqui estava um homem que ocupava um cargo de responsabilidade, que se assentava em uma posição de autoridade na Igreja de Deus na Terra, colocando-se no lugar de Deus, propondo-se a mudar as leis de Deus.

Nesse momento se cumpriu o que Paulo disse sobre o homem do pecado, o filho da perdição:

Ele se oporá e se exaltará acima de tudo que leva o nome de Deus e é digno de adoração. E até mesmo se assentará no templo de Deus, fazendo-se passar por Deus. [Ele vai se comportar como se fosse Deus]. (2 Tessalonicenses 2:4).

Deus não muda Seu caminho e Sua verdade, mas o Sr. Joseph Tkack sênior pensou que podia fazer isso.

Nunca antes na história da humanidade uma instituição religiosa tinha experimentado algo assim. Que alguém de suas próprias fileiras se levantasse e mudasse de uma vez os ensinamentos e doutrinas mais importantes da organização! Contudo, isso foi exatamente o que aconteceu na Igreja de Deus. Exatamente como Deus disse que aconteceria no tempo do fim.



Então os Selos de Apocalipse começaram a ser abertos

Algumas pessoas no mundo estão esperando que o Primeiro Selo do Apocalipse seja aberto para assim saber quando Cristo voltará. Alguns acreditam que quando o Primeiro Selo for aberto, começará a grande tribulação e que 3 anos e meio depois Cristo vai voltar. No entanto, essas pessoas serão pegas de surpresa porque os primeiros quatro Selos de Apocalipse não descrevem uma tribulação física no mundo, mas uma tribulação espiritual que já ocorreu na Igreja de Deus.

O Primeiro Selo foi aberto no dia 17 de dezembro de 1994, quando o Sr. Joseph Tkach sênior deu esse sermão em Atlanta, na Geórgia. Isto foi o começo da Apostasia. Isto foi o começo de uma grande tribulação na Igreja de Deus. Isto foi o começo de uma profética contagem regressiva para a segunda vinda de Josué, o Cristo.

Eu vi quando o Cordeiro abriu o primeiro dos Sete Selos. Então ouvi um dos seres viventes dizer com voz de trovão: “Venha!” Olhei, e diante de mim estava um cavalo branco. Seu cavaleiro empunhava um arco, e foi-lhe dada uma coroa; ele cavalgava como vencedor determinado a vencer. (Apocalipse 6:1-2)

Isto se refere a uma pessoa que teria autoridade no Templo de Deus. (Essa coroa que lhe foi dada representa autoridade para governar). Esta é a imagem profética de alguém que usaria seu poder para combater, para derrotar e derribar a Igreja de Deus, para profanar e destruir a Igreja de Deus, para cometer a “Abominação da Desolação” no Templo de Deus.

E o que aconteceu quando os seguintes três Selos foram abertos foi simplesmente o resultado, o efeito, do Primeiro Selo.

Então saiu outro cavalo; e este era vermelho. Seu cavaleiro recebeu poder para tirar a paz da terra e fazer que os homens se matassem uns aos outros. E lhe foi dada uma grande espada. (Apocalipse 6:4)

Logo depois que o Sr. Joseph Tkach proferiu seu sermão profano em Atlanta, as comportas se abriram e a perversão doutrinária começou a fluir livremente na Igreja. A livre interpretação da Palavra de Deus, usando o raciocínio humano e sob influência demoníaca, era algo generalizado na Igreja de Deus. A paz foi tirada de todos os lugares da Terra onde havia uma congregação da Igreja de Deus.

A inquietação que tinha se acumulado na última década com conflitos sobre doutrinas e disputas entre irmãos e ministros, que cediam cada vez mais à distorção da doutrina, veio quase da noite para o dia, como uma grande onda que engoliu toda a Igreja. Os ministros e os irmãos começaram a tomar partido e a brigar por causa das diferenças doutrinárias.

Imediatamente depois do Primeiro Selo o Segundo Selo foi aberto. Quase três quartos dos ministros aceitaram essas novas doutrinas sem questionar. Eles abraçaram essas novas doutrinas e se afastaram da verdade. Muitos ministros receberam de braços abertos todos os novos ensinamentos do Sr. Joseph Tkach. Já outros aceitaram apenas alguns desses novos ensinamentos. De uma forma ou de outra, toda a Igreja começou a se mover na direção das falsas doutrinas e da falsa religião.

Com tantos falsos ministros, as falsas doutrinas e ensinamentos se espalharam muito rapidamente. Esses ministros já não empunhavam a espada da Palavra de Deus, em espírito e em verdade, mas empunhavam uma espada falsa, que servia para arrancar a verdade dos irmãos e destruir suas vidas espiritualmente.

E como a paz de Deus foi tirada da Igreja por meio desse processo, começou para os membros da Igreja de Deus uma das guerras espirituais mais cruéis que a Igreja jamais tinha experimentado desde que foi fundada no Dia de Pentecostes do ano 31 d.C. Milhares de membros da Igreja perderam a vida – espiritualmente - nesta batalha. As pessoas começaram a se matar espiritualmente. A espada dos falsos ministros era a falsa doutrina, e isso causou uma enorme devastação e muitas mortes - espiritualmente - na Igreja de Deus.

Quando o Cordeiro abriu o Terceiro Selo, ouvi o terceiro ser vivente dizer: “Venha!” Olhei, e diante de mim estava um cavalo preto. Seu cavaleiro tinha na mão uma balança. Então ouvi o que parecia uma voz entre os quatro seres viventes, dizendo: “Um quilo de trigo pelo salário de um dia, e três quilos de cevada pelo salário de um dia, e não danifique o azeite e o vinho!” (Apocalipse 6:5-6).

A maioria dos que leem esses dois versículos pensa que isto se refere à fome. A Igreja de Deus também pensava que esses versículos se referem a uma grande fome que viria sobre o mundo no tempo do fim, uma fome a nível físico. E com certeza isso também acontecerá em todo o mundo, fisicamente. Mas esses versículos se referem a uma fome espiritual que viria sobre a Igreja como consequência da Apostasia.

Isto foi o cumprimento de uma profecia do Antigo Testamento sobre o tempo do fim.

Eis que vêm dias - diz o SENHOR Onipotente - em que enviarei fome sobre a terra, não fome de pão, nem sede de água, mas de ouvir as palavras do SENHOR. (Amós 8:11)

Quanto mais os falsos ministros e as falsas doutrinas se fortaleciam, mais os irmãos se enfraqueciam, vítimas de uma crescente fome espiritual. A verdade de Deus - a Palavra de Deus - da qual os irmãos precisavam se alimentar espiritualmente, era cada vez mais escassa. Uma grande fome espiritual veio sobre o povo de Deus.

A Apostasia causou uma grande destruição e a profanação generalizada no Templo de Deus. Essa destruição é a mesma coisa que é mencionada em uma profecia em Ezequiel 5, que descreve os efeitos dessa devastação em três fases muito específicas.

Logo depois da Apostasia, um terço dos membros da Igreja abandonou toda a verdade que Deus havia dado a igreja e se voltou para o falso cristianismo. Eles voltaram justamente a aquilo do que Deus os tinha libertado quando Ele abriu suas mentes para ver e compreender Sua verdade.

Nos meses que se seguiram, outro terço dos membros da Igreja simplesmente se sucumbiu ao desespero e perdeu completamente a fé. Eles abandonaram tudo. Eles não entendiam como algo assim podia ter acontecido na Igreja de Deus. Eles não entendiam por que razão tudo aquilo estava acontecendo, eles não tinham respostas e muito menos esperança. Para eles já não havia nada pelo que lutar.

O último terço tentou permanecer fiel ao que Deus lhe havia revelado quando Deus abriu sua mente para a verdade. Quando a Apostasia ocorreu, a Igreja estava muito enfraquecida espiritualmente; exatamente como foi escrito sobre a última era da Igreja, a Era de Laodicéia. A profecia diz que a Igreja se tornaria espiritualmente morna e começaria a dormir espiritualmente em vez de ficar alerta e vigilante, como Cristo disse que ela deveria estar.

Deus disse que devido a esse estado espiritual, devido a que a Igreja estava tão débil, Ele ia vomitar a toda a Igreja de Sua boca. E isso significa que a Igreja estaria completamente separada de Deus e já não receberia Seu favor e a ajuda de Seu espírito santo. E isso foi exatamente o que aconteceu então com o Corpo de Cristo, que estava muito débil espiritualmente. Deus também disse que, no tempo do fim, restaria apenas um pequeno remanescente de Seu povo, da Igreja, que Ele ia permitir que se dispersasse.

Quando a confusão tomou conta da Igreja devido à Apostasia este último terço da Igreja foi dispersado. Muitos deles queriam permanecer fieis às doutrinas e verdades que Deus lhes havia dado quando eles foram chamados. Então começaram a surgir muitas organizações, formadas por aqueles que estavam dispersos, numa tentativa de recuperar o que a Igreja tinha no passado. A confusão se tornou muito maior quando os membros da Igreja que estavam dispersos, que estavam espiritualmente fracos, tiveram que decidir a qual organização ir. E havia muitas desavenças entre os vários grupos sobre questões como a estrutura da Igreja, a liderança e a doutrina.

Porém não estava claro que nenhum desses grupos era a continuação da Igreja de Deus, era o lugar onde Deus estava trabalhando. Em apenas alguns meses surgiram mais de 600 organizações diferentes. E todas elas acreditavam ser a organização através da qual a verdadeira Igreja de Deus continuaria existindo.

Sobre essa última era da Igreja de Deus foi profetizado que então a Igreja seria morna, e que estaria cheia de orgulho e de soberba. Que as pessoas na Igreja confiariam mais nelas mesmas que em Deus e que estariam cheias de justiça própria, pensando ser superior aos demais. E essa atitude continuava existindo em muitas dessas organizações e todas elas pensavam que tinham razão.

Deus deixa claro que Sua Igreja é um corpo, uma Igreja, que está unida na fé, no espírito e na verdade. Só Deus pode revelar a é verdade. E foi através dessa verdade que Deus revela que Ele deu continuidade à Sua Igreja na forma de um pequeno remanescente. O remanescente desse enorme grupo de pessoas, que antes eram membros da antiga organização chamada Igreja Mundial de Deus e que agora estão dispersados.