QUANDO
TERMINE
A CONTAGEM
REGRESIVA

Capítulo 4
A ASCENSÃO E QUEDA DA UNIÃO EUROPEIA



NO CAPÍTULO ANTERIOR eu falei sobre o sétimo e último profetizado ressurgimento do Império Europeu. Ressurgimento que começou a tomar forma na década de 1950 e agora está chegando ao fim. Mas, infelizmente, o mundo está totalmente cego para tudo isso e não vê que os acontecimentos do tempo do fim agora se estão cumprindo bem diante de nossos olhos. Acontecimentos que foram profetizados a milhares de anos atrás.

Durante quase 70 anos a Igreja de Deus tem estado anunciando a verdade sobre esse sétimo ressurgimento a quem queira ouvir. A 63 anos atrás essas nações começaram a formar alianças entre elas e atualmente elas formam a União Europeia como a conhecemos hoje. Mas agora a União Europeia está prestes a desmoronar!

Neste capítulo vou falar especificamente sobre esse assunto com a esperança de que os europeus sejam mais receptivos a isso. Porque, de todas as pessoas, os europeus devem entender muito bem o significado e a importância da verdade revelada aqui sobre sua história e sua situação atual.



Herbert W. Armstrong

É importante saber o que Deus revelou ao Sr. Herbert Armstrong sobre a Terceira Guerra Mundial justo quando a Segunda Guerra Mundial estava chegando ao fim. O Sr. Armstrong então entendeu que haveria um último ressurgimento do Império Europeu e também que os Estados Unidos desmoronariam antes que essa última guerra chegasse a seu auge.

E eu espero que europeus sejam mais receptivos a essa advertência, porque os americanos nunca deram ouvidos a isto. Ainda que essa advertência seja a mais longa e abrangente de todas. Se os americanos tivessem respondido a isso de maneira diferente, isto poderia ter evitado muito sofrimento e uma catastrófica destruição. Mas eles não fizeram isto!

Por décadas e décadas a verdade sobre os acontecimentos do tempo do fim tem sido anunciada nos Estados Unidos, mas as pessoas parecem não se importar com isto. Depois da Segunda Guerra Mundial o Sr. Herbert W. Armstrong começou a avisar sobre esses acontecimentos e essa mensagem foi anunciada de uma maneira poderosa em todo Estados Unidos. Mas nem o povo nem seus governantes estavam muito preocupados com isso. Eles não deram ouvidos a esse aviso.

O Sr. Herbert Armstrong exortou, explicou, fez muitos esforços e usou muitos recursos para avisar as pessoas sobre esses acontecimentos do tempo do fim que em breve começariam a se cumprir. E esse aviso foi dado a uma nação onde grande parte da população afirma abertamente que crê em Deus e em Cristo, Seu Filho. Embora o Sr. Herbert Armstrong tenha mostrado evidências bíblicas do que ele estava dizendo e do aviso que ele estava dando, os Estados Unidos nunca o reconheceram como um enviado de Deus nem deram ouvidos a seus avisos.

Ele não somente entendeu que o sétimo e último profético ressurgimento da Europa estava em andamento, mas também que a destruição total dos Estados Unidos faz parte do cumprimento desse ressurgimento. Ele sabia que a primeira nação a cair no tempo do fim será os Estados Unidos. E isso é algo que ocorrerá antes que comece uma guerra nuclear que destruirá a quase 1/3 de toda a vida na Terra.

E agora, enquanto ainda ha tempo, Deus está dando a Europa e a muitas outras nações do mundo uma última chance de dar ouvidos aos avisos do Sr. Herbert W. Armstrong.

A Igreja de Deus nunca foi uma igreja grande, com muitos membros, como outros grupos religiosos que há no mundo. A maioria das pessoas nunca ouviu falar da Igreja de Deus e muito menos ouviu falar do Sr. Herbert W. Armstrong. No entanto, Deus enviou o Sr. Herbert W. Armstrong a este mundo para avisar ao mundo sobre uma última guerra mundial que em breve virá. Embora sua mensagem tenha sido amplamente divulgada em todo o mundo, a principal nação a qual essa mensagem foi dirigida não a aceitou.

Nos Estados Unidos, o Sr. Herbert Armstrong foi menosprezado, difamado, falsamente acusado e odiado. Ele também foi perseguido pelo governo dos Estados Unidos. E mesmo agora, mais de três décadas depois da sua morte, ainda há muitas pessoas que demonstram seu ódio escrevendo mentiras sobre ele. Isso não é nada diferente do que aconteceu com Cristo, que também foi odiado por causa da mensagem com a qual Deus o enviou aos seres humanos.

Antes de sua morte, o Sr. Herbert Armstrong era o responsável de uma obra que abrangia a publicação de milhões de livros, panfletos e revistas que continham muita informação sobre o tempo do fim e o Reino de Deus, que em breve chegará. Como a revista A Pura Verdade, que então era publicada em sete idiomas, com uma tiragem mensal de mais de 8,2 milhões de exemplares. Para que você tenha uma ideia, então a revista Time, uma revista bem conhecida, tinha uma tiragem mensal de 5,9 milhões de exemplares.

Seu programa semanal de televisão, O Mundo do Amanhã, e seus programas de rádio eram transmitidos em todo o território dos Estados Unidos e em grande parte do mundo. Isso era muito mais do que qualquer outra organização religiosa tinha feito até então.

É interessante notar que outras pessoas no mundo reconheceram que havia algo único e significativo na mensagem do Sr. Armstrong. Em outras nações do mundo ele foi tratado de uma maneira muito diferente que nos Estados Unidos.

Pessoas de outras partes do mundo começaram a reconhecê-lo depois que ele recebeu uma singular condecoração do rei Leopoldo III da Bélgica na forma de um relógio feito de uma bala de canhão que o rei Alberto I, o pai do rei Leopoldo, trouxe de um campo de batalha da Primeira Guerra Mundial. O rei Alberto mandou fazer quatro relógios com essa bala de canhão para dar de presente a quatro pessoas que, em sua opinião, haviam contribuído significativamente para a paz mundial. E como o rei Alberto nunca encontrou ninguém que ele considerasse digno de receber o quarto relógio, ele incumbiu ao seu filho a tarefa de encontrar essa pessoa. E foi o filho dele, o rei Leopoldo, quem decidiu dar esse relógio ao Sr. Armstrong em 1970.

A partir de então o Sr. Herbert Armstrong começou a ser reconhecido por outros chefes de estado de todo o mundo e era chamado de “embaixador sem pasta para a paz mundial”. Ele levou sua mensagem ao príncipe Mikasa e a vários membros do parlamento japonês. O imperador Hirohito concedeu ao Sr. Herbert W. Armstrong a medalha Ordem do Tesouro Sagrado - 2ª classe, uma das condecorações mais importantes que podem ser concedidas a quem não é japonês. Durante duas décadas sete primeiros ministros japoneses consecutivos tiveram o Sr. Armstrong como conselheiro e amigo pessoal. Alguns membros do parlamento japonês costumavam dizer que eles eram “os filhos japoneses do Sr. Armstrong”. Embora todos esses governantes sentissem uma grande admiração pelo Sr. Armstrong, nenhum deles deu ouvidos a seus avisos sobre o tempo do fim ou a sua mensagem sobre a vinda do Reino de Deus.

O Sr. Armstrong foi muito amigo do rei Hussein da Jordânia, do rei Bhumibol Adulyadej e da rainha Sirikit da Tailândia e também de alguns primeiros ministros de Israel, incluindo Golda Meir e Menachem Begin. Outros que tinham muita amizade com o Sr. Armstrong eram o presidente egípcio, Anwar Sadat, o fundador e primeiro presidente do Quênia, Jomo Kenyatta, o imperador da Etiópia, Haile Selassie, o prefeito de Jerusalém, Teddy Kollek e também um juiz do Tribunal Internacional em Haia, na Holanda, o Sr. Nagendra Singh, seu amigo de muitos anos.

O Sr. Herbert W. Armstrong também conheceu pessoalmente a líderes mundiais como a Primeira Ministra do Reino Unido, Margaret Thatcher, o Rei Juan Carlos da Espanha, o Presidente do Egito, Hosni Mubarak e a Primeira Ministra da Índia, Indira Gandhi. Mas nenhum desses governantes deram ouvidos a sua mensagem.

O presidente filipino, Ferdinand Marcos, concedeu ao Sr. Armstrong a Medalha ao Mérito Presidencial “por seu apoio moral e convincente influência sobre as pessoas, impulsando uma ordem mundial justa e pacífica”. Ele também recebeu o prêmio “Comandante de Nossa Ordem Mais Nobre da Coroa da Tailândia”. Mas nenhum dos governantes ou dos habitantes dessas nações deram ouvidos a sua mensagem.

Outros líderes políticos que o Armstrong conheceu pessoalmente foram o Presidente do Chile, Salvador Allende, o Presidente da Indonésia, Suharto, e o Presidente do Vietnã do Sul, Nguyen van Thieu. Ele também foi convidado por Nicolae Ceausescu, Presidente da Romênia, para visitar esse país.

O Sr. Armstrong também foi recebido em audiência pelo principal líder da República Popular da China, Deng Xiaoping, e foi o primeiro reconhecido líder cristão a ser recebido oficialmente por membros do governo chinês. No entanto, isso não saiu nas notícias. Durante essa visita, algo sem precedentes, ele deu um discurso a autoridades de 76 países no Grande Salão do Povo, em Pequim, e lhes falou sobre o caminho que leva à verdadeira paz e sobre as razoes pelas quais os seres humanos não são capazes de alcançar a paz. Nenhum outro líder religioso foi convidado para algo assim na China. Mas isso foi algo que passou despercebido para o mundo.

O Sr. Herbert W. Armstrong recebeu muitas outras honras e foi recebido por muitos outros líderes mundiais, mas tudo isso passou despercebido para o mundo ocidental. Embora Deus tenha enviado o Sr. Armstrong para anunciar Sua mensagem principalmente a essas nações.

E devo mencionar novamente que uma nação muito específica a qual o Sr. Armstrong foi enviado não o reconheceu nem o recebeu como enviado de Deus. Essa nação é Estados Unidos da América, nação onde começarão os proféticos e catastróficos acontecimentos nessa fase final do tempo do fim. E tudo isso pode acontecer em alguns meses e não em alguns anos.

Quando estávamos chegando ao tempo do fim Deus cumpriu uma promessa que Ele tinha feito milhares de anos antes a um determinado povo. Deus prometeu a esse povo que Ele faria deles a nação mais rica e poderosa que o mundo já viu. Essa foi a promessa que Deus fez a José, filho de Jacó, cujo nome foi mudado para Israel.



As dez nações que no final formarão uma aliança na Europa

No capítulo anterior eu disse que em Apocalipse 17 Deus deixa muito claro a importância profética do sétimo e último ressurgimento. Mas é no capítulo 17 de Apocalipse que a história dos ressurgimentos assume um claro contexto religioso. E é também nesse mesmo capítulo que a origem desse contexto religioso começa a ser revelada. E essa será uma das coisas mais difíceis de admitir para os seguidores do cristianismo tradicional, quando eles forem confrontados com essa realidade.

A descrição da besta em Apocalipse 13 é uma descrição diferente da descrição sobre a qual falaremos a seguir. A descrição no capítulo 13 é uma espécie de ponte para nos ajudar a entender melhor o que foi profetizado no livro de Daniel sobre a Europa e o sobre que Deus revelou em mais detalhes agora, no tempo do fim, quase 2.500 anos depois, e que está escrito no livro do Apocalipse.

O significado contido nessa descrição da besta em Apocalipse 17 revela mais detalhes sobre esses sete ressurgimentos e sobre algo muito poderoso que sempre esteve por trás de cada um dos ressurgimentos: a guerra.

Deus deu ao Sr. Herbert Armstrong a compreensão de que o que está escrito nesses capítulos do livro do Apocalipse descreve claramente o que vai acontecer na União Europeia de hoje.

E veio um dos sete anjos que tinham as sete taças e falou comigo, dizendo-me: “Vem, te mostrarei o castigo da grande prostituta que está assentada sobre muitas águas, com a qual se prostituíram os reis da terra; e os que habitam na terra se embriagaram com o vinho da sua prostituição.” Me levou em espírito a um deserto, e vi uma mulher montada numa besta de cor escarlate, que estava cheia de nomes de blasfêmia e tinha sete cabeças e dez chifres. (Apocalipse 17:1-3).

O que é descrito aqui é o que representa o nome Europa. De acordo com a mitologia grega Europa era uma princesa fenícia que foi sequestrada e levada ao cativeiro na ilha de Creta montada em um touro, que era o deus Zeus que tinha se transformado em um touro. As raízes históricas da Europa são muito profundas; muito mais profundas do que as pessoas sabem. Se você entende essas coisas, então você vai poder entender o que Deus está revelando neste capítulo.

Deus usa o símbolo de uma mulher montada numa besta para descrever o vínculo que sempre existiu entre os governos e as falsas crenças religiosas no profético Império Europeu e nos seus muitos ressurgimentos ao longo do tempo. O culto a muitos deuses é algo que teve uma forte influência na ascensão do Império Romano, nos começos desse profético império, o Império Europeu, que continuaria existindo até o tempo do fim, até a última guerra nesta Terra.

Na Wikipédia, no anexo Lista de deuses e personagens da mitologia romana, você pode ler no primeiro parágrafo um resumo de tudo o que as pessoas precisam saber sobre os começos do Império Romano e sobre como esse império foi fundado.

Entre os deuses romanos mais populares estão aqueles que se identificavam com os deuses gregos, os mitos e a iconografia gregos, e algumas vezes com os rituais religiosos associados a isso, que foram incorporados à cultura romana, incluindo a literatura, a arte e a vida religiosa, algo que pode ser apreciado durante todo o período imperial.

Se você se lembra do exemplo do símbolo da serpente enrolada em um pau, que isso foi passado de geração em geração durante milhares de anos, isso lhe ajudará a entender o que aconteceu desde o começo do Império Romano, mas a uma escala muito maior na Europa. Os primeiros romanos costumavam adotar aos deuses e os costumes religiosos dos povos conquistados pelo Império e misturar tudo. Essas coisas foram mudando gradualmente ao longo dos séculos resultando no que ficou conhecido em todo o Império Romano como cristianismo.

Hoje você pode identificar facilmente a origem desses misteriosos ensinamentos e crenças que não têm base em nenhuma verdade, doutrina ou ensino da Bíblia. Ensinamentos como a celebração da páscoa ou do natal, a doutrina da trindade, o símbolo da cruz, o culto ao sol no domingo ao amanhecer, a adoração de imagens de uma mãe com uma criança nos braços, coelhos e ovos de páscoa como símbolos de fertilidade e muitas outras coisas que hoje em dia formam parte dos ensinamentos e costumes religiosos de mais de 2 bilhões de pessoas em todo o mundo. Tudo isso tem sua origem em ideias que foram usadas para fundar essa nova religião romana. Ideias e costumes religiosos de pessoas que criam nesses deuses antigos.

Deus tem muito que dizer sobre falsos ensinamentos e costumes religiosos que são o resultado da crença em outros deuses. E como os seres humanos ignoraram a Deus e contaminaram Sua verdade com fábulas e ritos religiosos que são falsos, em breve o juízo de Deus virá sobre o mundo. E será durante esse tempo de juízo que Deus vai pôr um fim ao autogoverno e às religiões do homem, para assim estabelecer Seu Reino, que governará todas as nações da Terra.



Cheia de nomes de blasfêmia

Se você entende a história dos começos do Império Romano e a transformação pela qual passaram todas essas ideias religiosas, então você poderá entender melhor a verdade sobre certas coisas que vemos hoje no “cristianismo tradicional”. O cristianismo tradicional tem suas raízes nesse costume de misturar todo tipo de crenças.

Os romanos tinham o costume de misturar as crenças religiosas e os deuses de outros povos com seus próprios deuses e crenças. Eles costumavam adotar as crenças dos povos que eles conquistavam e misturar suas crenças com as crenças dos outros povos, porque isso facilitava a integração entre os diferentes povos e a expansão do império. Eles não apenas misturaram as crenças dos gregos, celtas e germânicos, mas também as crenças do judaísmo e dos que permaneceram fieis à verdadeira fé e aos verdadeiros ensinamentos cristãos.

Essas diferentes crenças também incluíam o culto a muitos deuses. E é por isso que Deus descreve essa besta em Apocalipse 17 dessa maneira tão específica. A descrição dessa besta é semelhante ao símbolo de Zeus, um deus da mitologia grega que, transformado em um touro, levou a princesa Europa à ilha de Creta montada nele. Creta é a maior de todas as ilhas da Grécia e a que tem mais habitantes. E, segundo a história, Creta foi o berço e o centro da civilização minoica, a primeira civilização que floresceu na Europa, entre o ano 2700 e o ano 1420 a.C.

E quando você lê essa descrição, “E vi uma mulher montada numa besta de cor escarlate, que estava cheia de nomes de blasfêmia.”, você deve entender o propósito de tal afirmação. O nome Europa tem sua origem na mitologia grega e representa o processo através do qual o falso cristianismo foi criado. Esse costume que eles tinham no Império Romano de misturar a mitologia, as crenças e rituais religiosos, ideias relacionadas a muitos deuses diferentes, resultou no falso cristianismo.

E como esse costume é uma parte fundamental do surgimento do cristianismo tradicional, isso é profeticamente descrito como “cheia de nomes de blasfêmia”. Blasfêmia significa se adjudicar a prerrogativa de mudar, de ir contra o que Deus revelou ser verdadeiro e correto em nosso culto a Ele.

O que é descrito no capítulo 17 de Apocalipse como “uma mulher montada uma besta de cor escarlate, que estava cheia de nomes de blasfêmia” é exatamente o mesmo que é descrito no capítulo 13 de Apocalipse.

Vi uma besta que saía (da areia) do mar. Tinha dez chifres e sete cabeças, com dez coroas, uma sobre cada chifre, e em cada cabeça um nome de blasfêmia. (Apocalipse 13:1)

Adoraram o dragão, que tinha dado autoridade à besta, e também adoraram a besta, dizendo: “Quem é como a besta? Quem pode guerrear contra ela?” À besta foi dada uma boca para falar palavras arrogantes e blasfêmias, e lhe foi dada autoridade para agir durante quarenta e dois meses. Ela abriu a boca para blasfemar contra Deus, para blasfemar contra o Seu nome e contra o Seu tabernáculo, contra os que habitam nos céus. (Apocalipse 13:4-6)

Nestes versículos podemos ver claramente que a origem do falso cristianismo está cheia de blasfêmia. E vou dar alguns exemplos disso mais adiante. Entre outras coisas, estão o ensinamento de que Deus é uma trindade e a mudança do verdadeiro nome de Cristo de Josué para Jesus. E embora agora, depois de tantos séculos, seja difícil provar isso, algumas pessoas acreditam que o nome Jesus vem do nome Zeus.

Aqui em esta descrição o termo “nomes de blasfêmias” é usado, mas isso se refere a algo que vai muito além do que apenas nomes. Isso também se refere a certas coisas da mitologia que eram usadas em vários rituais e cultos. Também se refere aos objetos de arte, as esculturas de figuras mitológicas que foram incorporadas ao culto no falso cristianismo. Todas essas coisas se encaixam na descrição de “nomes de blasfêmias”.

A verdade é que muitas coisas que foram incorporadas ao falso cristianismo se encaixam nessa descrição. Eu já falei sobre algumas dessas coisas, mas isto necessita ser mencionado novamente aqui.

O Sabbath de Deus, no sétimo dia da semana, foi substituído pelo culto no domingo, no primeiro dia da semana. Domingo em inglês é Sunday, que significa o dia do sol.

A cerimônia do batismo - quando uma pessoa adulta decide se arrepender de seus pecados e então ela é submergida em água - também foi mudada. Eles substituíram o batismo por uma cerimônia na que eles respingam água na cabeça de crianças pequenas. E isso também é uma blasfêmia.

Existem muitos objetos de arte que são símbolos usados ​​em rituais das falsas religiões, em doutrinas e ensinamentos sobre falsos deuses. Muitos desses símbolos foram adotados pelo falso cristianismo e são usados por ele. Nas obras de arte, nos quadros pintados nos que aparecem esses falsos deuses, eles frequentemente representam o que eles acreditam ser o céu e o inferno. Objetos como cruzes e estátuas de uma mãe com um filho nos braços já eram usados ​​no culto aos falsos deuses séculos antes de Cristo nascer de Maria, sua mãe. Todas essas coisas foram mescladas e incorporadas ao falso cristianismo.

Já mencionei antes que Cristo ordenou que títulos religiosos relacionados a Deus nunca devem ser usados pelas pessoas, mas os mestres religiosos concedem esses títulos a milhares de pessoas que são chamadas ministros de Deus.

Também é bom lembrar de todas as blasfêmias cometidas por Constantino, que convocou e presidiu o Conselho de Nicéia no ano 325 d.C., ajudando assim a criar a nova religião oficial do Império Romano, uma religião que eles chamam de “cristianismo”.

Deus ordenou que Seu povo celebrasse o Pessach uma vez por ano. Esse é um mandamento perpétuo. Mas eles substituíram essa cerimonia anual na que comemos um pedaço de pão sem fermento e bebemos um pouco de vinho, que são os símbolos do Pessach, por uma cerimônia que eles chamam de comunhão ou santa ceia e que eles costumam observar semanalmente.

A definição de blasfêmia é “cometer sacrilégio contra Deus ou contra as coisas sagradas. Faltar respeito a Deus.”

Chamar o Filho de Deus por um nome que não seja o nome que Deus ordenou que fosse dado a Seu Filho é blasfêmia. Dizer que Deus é uma trindade é blasfêmia. Deus revela claramente que somente Ele sempre existiu, que somente Ele tem a vida eterna inerente a Si mesmo. Deus deixou isso bem claro muito antes que Seu próprio Filho nascesse de uma mulher, de um ser humano.

Eu sou o SENHOR, (YAHWEH, que em hebraico significa “o Eterno”), e não há outro; fora de Mim, não há nenhum Deus (ELOHIM em hebraico). Eu te cingirei, ainda que tu não Me conheças, para que se saiba desde o nascer do sol e desde o poente que fora de Mim não há outro. Eu sou o SENHOR, (YAHWEH, o Eterno) e não há outro. (Isaías 45:5-6).

Pois assim diz o SENHOR, (YAHWEH, o Eterno), que criou os céus, Ele é Deus;

que moldou a Terra e a fez, Ele a fundou e não a criou para estar vazia, mas para ser habitada. Ele diz: “Eu sou o SENHOR, (YAHWEH, o Eterno), e não há nenhum outro.” (Isaías 45:18).

Aqui, e em muitas outras passagens da Bíblia, Deus explica que somente Ele tem a vida eterna. Mas essa igreja que surgiu nos tempos do Império Romano afirma que Deus é uma trindade. E esta é a definição de blasfêmia.

No Concílio de Nicéia, eles instituíram a observância da páscoa, depois de proibir a observância do Pessach. Em todo o Império Romano, eles adotaram uma observância religiosa chamada páscoa. Observância que tem sua origem no culto a uma deusa que era adorada em muitas culturas antigas.

O cristianismo do Império Romano ensina muitas mentiras sobre quando Cristo morreu e quando ele ressuscitou. Eles ensinam que Cristo morreu pregado em uma cruz e que ele ressuscitou em um domingo de manhã. E assim eles justificam o culto no domingo. Eles mudaram o nome de Cristo e comemoram seu aniversário no inverno, mesmo sabendo que Cristo não nasceu no inverno. E todas essas coisas não condizem com a definição de blasfêmia?

Os líderes religiosos desta igreja e das igrejas que derivaram dela blasfemam o nome de Deus usurpando títulos como Pai, Reverendo, Papa e muitos outros. Seus líderes religiosos se adjudicam o direito de absolver os pecados das pessoas, algo que somente Deus Todo-Poderoso pode fazer. Somente Deus pode perdoar nossos pecados através do sacrifício de Seu Filho, que morreu como o sacrifício do Pessach por toda a humanidade, derramando Seu sangue para que, através de Cristo, nossos pecados possam ser perdoados.

A pergunta que você deve se fazer é: “O que é verdadeiro e o que é falso em tudo isto?” Somente o que é falso pode blasfemar contra Deus e contra Seu nome. Blasfemar é usar o nome de Deus e Sua palavra, as verdades que Deus nos revela em toda a Bíblia, da maneira errada. E, é claro, deturpar, distorcer e interpretar mal o que Deus diz em Sua palavra é, por definição, blasfêmia.



A mulher montada na besta

Mas quem é essa mulher montada na besta mencionada em Apocalipse 17? Todos os que estão lendo este livro já leram o suficiente para poder dar uma resposta honesta a isso. Vamos ler isso novamente e vamos continuar aprendendo mais sobre esse sétimo ressurgimento, que agora está em andamento.

E veio um dos sete anjos que tinham as sete taças e falou comigo, dizendo-me: “Vem, te mostrarei o castigo da grande prostituta que está assentada sobre muitas águas, com a qual se prostituíram os reis da terra; e os que habitam na terra se embriagaram com o vinho da sua prostituição.” Me levou em espírito a um deserto, e vi uma mulher montada numa besta de cor escarlate, que estava cheia de nomes de blasfêmia e tinha sete cabeças e dez chifres. (Apocalipse 17:1-3).

Essa mulher, que tem a mesma aparência que a princesa Europa, simboliza a religião que foi fundada pelo Império Romano. Profeticamente uma mulher simboliza uma igreja. Na Bíblia, a Igreja de Deus é referida como uma mulher e é descrita como “a mãe de todos nós”. Deus quer que Seu povo seja alimentado por Sua Igreja. Mas essa mulher descrita aqui não é a Igreja de Deus, mas uma igreja que tem alimentado (moldado) e embriagado as pessoas com as blasfêmias que ela ensina.

E a mulher estava vestida de púrpura e de escarlata, adornada com ouro, e pedras preciosas, e pérolas, e tinha na mão um cálice de ouro cheio das abominações e da imundícia da sua prostituição. E, na sua testa, estava escrito o nome: Mistério, a Grande Babilônia, a Mãe das Prostituições e Abominações da Terra. E vi que a mulher estava embriagada do sangue dos santos e do sangue das testemunhas de Cristo. E quando a vi, fiquei muito admirado. E o anjo me disse: Por que te admiras? Eu te direi o mistério da mulher e da besta que a traz, a qual tem sete cabeças e dez chifres. (Apocalipse 17:4-7)

Se você entende o que uma “mulher” simboliza profeticamente, então é fácil entender o que Deus descreve aqui. Aqui diz que essa mulher estava vestida de púrpura e escarlata e adornada com ouro, pedras preciosas e pérolas. Isso representa as grandes riquezas dessa igreja. E essa igreja tem por costume exibir suas riquezas. É uma igreja que se destaca e quer que todos a vejam. E isto é algo que se pode ver em quase todas as cidades europeias. Eles constroem seus suntuosos edifícios bem no centro das cidades para que todos possam vê-los. As pessoas costumam fazer muitos sacrifícios para ajudar a construir essas coisas, muita riqueza é destinada a esses edifícios.

Aqui diz que essa mulher “tinha na mão um cálice de ouro”. E o simbolismo disso também é único, porque isto representa os ensinamentos dessa igreja, que usa a palavra de Deus para blasfemar. Deus ordena que Seu povo beba um pouco de vinho uma vez por ano na noite do Pessach. E, como eu disse antes, isso representa o sangue de Cristo, que foi derramado por nós, para que nossos pecados possam ser perdoados. Isso representa o fato de que Cristo cumpriu o significado do Pessach morrendo como nosso Cordeiro do Pessach. E os que bebem esse pouco de vinho na celebração anual do Pessach não o bebem de um copo ou de um cálice de ouro.

Mas essa igreja, fundada pelo Império Romano, ensina que isso deve ser feito toda semana em algo que eles chamam de comunhão. Eles fazem isso na segunda parte do seu culto, que é conhecido como missa. A segunda parte de uma missa é chamada eucaristia. Na oração eucarística essa igreja “lembra Jesus Cristo e sua obra redentora, especialmente o sacrifício que ele fez ao morrer na cruz por toda a humanidade.”

Mas o que é verdadeiro e o que é falso em tudo isto? A celebração de algo chamado comunhão em uma cerimônia conhecida como eucaristia é a verdade? Ou a verdade é a celebração do Pessach, que só deve ser observado uma vez por ano? São essas coisas importantes para Deus? A verdade é que deturpar algo que Deus e Josué, o Cristo ordenaram, é uma abominação a Deus. Deus diz que mudar o que Ele ordenou, especialmente se isso inclui rituais e costumes do culto a deuses feitos por mãos humanas, é adultério e fornicação espiritual, porque isso é infidelidade a Deus e à Sua verdadeira palavra.

Essa mulher é descrita aqui como uma prostituta; alguém que pratica adultério ou é libertino quando se trata de relações sexuais (mesclando diferentes religiões com a palavra de Deus). Olhando isso de uma perspectiva espiritual, da perspectiva de como deve ser o nosso relacionamento com Deus, que devemos ser fiéis a Deus em espírito e em verdade, isso adquire um significado muito mais profundo.

Aqui essa mulher é descrita como a prostituta que monta a besta e também como a mãe de todas as prostitutas. Em outras palavras, muitas outras prostitutas surgiram dela. O verdadeiro significado disso deve ser óbvio para todo aquele que estiver disposto a ver a verdade. Muitas igrejas surgiram dessa igreja, que foi fundada no ano 325 d.C. e se tornou a religião oficial do Império Romano. E suas filhas adotaram a grande maioria de suas falsas doutrinas.

Essa igreja também é chamada de Mistério, Babilônia, a Grande, porque seus ensinamentos (suas palavras) são realmente um mistério. Eles afirmam que sua autoridade vem de Deus, mas discordam das palavras de Deus. E Babilônia é uma boa descrição disso, pois a palavra Babilônia vem da palavra “babel”, que significa “confusão”. A definição da palavra babel é: algo que não é claro ou é confuso como resultado da mistura de muitas vozes. Essa igreja reconhece que sua doutrina mais importante, a doutrina da trindade, não tem nenhum fundamento na Bíblia. Eles afirmam que isto é um "mistério que foi dado à igreja, algo que em realidade não pode ser entendido.”

Há duas razões para mencionar a Babilônia aqui. A primeira tem a ver com algo que começou logo depois do dilúvio, nos dias de Noé, quando as falsas religiões começaram a florescer novamente em diferentes cidades. E uma dessas cidades era a cidade de Babel. Os habitantes dessa cidade decidiram construir uma torre tão alta que alcançasse os céus. E essas ideias foram mescladas com ideias religiosas que são falsas. As ruínas dessa torre ainda existem e estão na região do Iraque. A corrupção e o orgulho cresceram a um ritmo tão acelerado na mente dessas pessoas que Deus teve que intervir mais uma vez para parar esse processo e impedir que a mente dessas pessoas se corrompesse completamente.

Naquela época, depois do dilúvio, todos falavam o mesmo idioma. E o meio que Deus usou para refrear os maus desígnios das pessoas foi confundi-las com diferentes idiomas. Essa é a origem dos diferentes idiomas que existem hoje. Deus mudou isso na mente das pessoas em um instante, dando-lhes a capacidade de falar outro idioma. Quando Deus fez isso, as pessoas já não podiam se entender. Somente aqueles que falavam o mesmo idioma podiam se entender.

Imagina que todo mundo falasse somente em inglês e, de repente, alguns só pudessem falar em francês, outros somente em japonês e outros somente em russo. E então as pessoas se dividissem em grupos que falassem o mesmo idioma. E talvez isso seja difícil de imaginar, mas foi exatamente o que aconteceu. Uma pessoa falava em um idioma em um dia e no outro dia ela só podia falar em um idioma completamente diferente. E era como se ela sempre tivesse sabido o novo idioma que ela falava agora, sem poder se lembrar de nada do idioma que falava anteriormente.

Essa cidade ficou conhecida como Babel. O nome Babilônia, que é o nome de um dos primeiros impérios proféticos que dominaram o mundo, tem o mesmo significado. Babilônia foi o primeiro desses reinos proféticos, o reino representado pela cabeça de ouro da estátua no sonho de Nabucodonosor.

Tanto Babel como Babilônia significam “confusão”. Esse nome se tornou sinônimo das religiões e governos deste mundo. Esses são sistemas inventados ​​pelo ser humano e que produzem somente confusão, desordem, divisões e guerras. E isto é o oposto dos caminhos de Deus, que produzem harmonia, sensatez e a verdadeira paz.

Você pode entender isso melhor olhando o significado da expressão “Mistério, Babilônia, a Grande”, porque isto foi o começo da falsa religião. Depois do dilúvio, começaram a surgir falsas ideias e costumes religiosos na cidade de Babel. E essas ideias foram desenvolvendo-se junto com a adoração a diferentes falsos deuses, que surgiram quando todos ainda falavam o mesmo idioma na Babilônia.

Depois que as pessoas foram dispersas e foram viver em outras regiões com outros que falavam o mesmo idioma, os nomes desses deuses foram mudando, de acordo com o idioma falado nas diferentes regiões. E cada cultura começou a desenvolver suas próprias crenças e rituais religiosos, que eram ligeiramente diferentes dos outros. Isso também se aplica à adoração ao deus do sol, ao deus da lua, aos planetas e aos deuses da fertilidade.

O culto a deuses como Tamuz, Ishtar, Astarte, Diana, Zeus, Ártemis, Ra, Aton, Apolo e tantos outros deuses tem sua origem na Babilônia. A falsa religião começou com o que ocorreu na Babilônia. Até que finalmente no ano 325 d.C. muitos de seus costumes e ideias foram organizados no falso cristianismo. E é por isso que nestes versículos isto é chamado de “Mistério, a Grande Babilônia”.

Nesses versículos, também é dito que essa mulher - essa igreja – estava embriagada do sangue dos santos. A palavra “santos” era usada pelos apóstolos para se referir aos membros da Igreja de Deus, àqueles que eram fiéis ao caminho de vida de Deus. O significado da palavra “santos” não tem nada que ver com o que essa igreja inventou.

Essa igreja tem sido responsável pela perseguição e pela morte de muitos do povo de Deus ao longo dos séculos. Afinal, foi o governo romano quem fundou essa igreja e foi esse mesmo governo que deu a ordem de matar o Filho de Deus, Josué, o Cristo, pregando-o em um madeiro. Foi também esse mesmo governo que ordenou que a cabeça de João Batista fosse cortada.

Com base nos documentos históricos e nas tradições que foram transmitidas, alguns acreditam que quase todos os primeiros apóstolos foram encarcerados e condenados a morte por ordem do governo romano. A história diz que Herodes matou a Tiago, o irmão de João, com uma espada. De acordo com os documentos históricos João, que foi encarcerado na ilha de Patmos, provavelmente foi o único dos primeiros apóstolos que não foi condenado a morte por ordem do governo romano.

Paulo, o apóstolo que foi enviado aos gentios (aos não judeus), foi ferido, apedrejado, encarcerado e mantido em prisão domiciliar em Roma durante muito tempo antes de que eles finalmente lhe matassem. E a verdade é que desde então as pessoas sempre odiaram a mensagem que os apóstolos e mestres de Deus trouxeram. E, como resultado disso, muitos outros líderes da Igreja de Deus foram encarcerados e/ou condenados a morte.



Satanás e o poço sem fundo

Depois que João descreveu essa mulher montada numa besta, o anjo lhe disse que lhe mostraria o mistério da mulher que ele viu, que estava montada numa besta que tinha sete cabeças e dez chifres.

A besta que você viu, antes era, mas já não é. Ela está a ponto de subir do abismo (do poço sem fundo) e caminha para a perdição. Os habitantes da Terra, cujos nomes não foram escritos no livro da vida desde a criação do mundo, ficarão admirados quando virem a besta, porque ela antes era, agora já não é, e, entretanto, virá. (Apocalipse 17:8).

Seria necessário muito tempo para ler todas as passagens da Bíblia onde essas coisas são mostradas e explicadas, e também o significado delas. Vou falar sobre algumas dessas coisas mais adiante, mas por enquanto acho que é melhor explicar somente o que está escrito aqui.

Conforme vamos lendo essa história, podemos ver claramente que essa besta representa Satanás. Ele é quem sustém e carrega essa mulher nas suas costas. Ele é quem dá força e poder a essa igreja. Ele é quem esteve por trás de todos os ressurgimentos do profético Império Europeu. A verdade é que Satanás é descrito como uma besta. Satanás é a besta que se parece com um grande dragão e também é a outra besta de cor escarlate que tem sete cabeças. Essas cabeças representam sete ressurgimentos do Império Europeu, que ocorreriam ao longo de mais de 1.450 anos, contados a partir do momento em que o primeiro desses ressurgimentos ocorreu, liderado por Justiniano.

O que está escrito sobre a besta que subirá do poço sem fundo é, em parte, um enigma. Como já foi dito antes, essa mulher, essa igreja romana, está montada nessa besta. É a besta que dá a essa mulher mais poder e importância. Essa besta é Satanás. A palavra “besta” também descreve o papel de determinadas nações através das quais Satanás trabalha para dar a essa igreja mais poder e destaque durante cada um desses ressurgimentos.

O objetivo desses ressurgimentos é a guerra. Essa igreja sempre esteve implicada, de uma maneira ou de outra, em todos os ressurgimentos, desde o primeiro deles até a queda de Napoleão, 1.260 anos depois. A verdade é que a queda de Napoleão marcou o começo do fim do poder e da influência da igreja católica sobre o Império Europeu.

Durante todo esse período de tempo, essa igreja esteve implicada nesses ressurgimentos e guerras, mas sempre nos bastidores, em segredo. Isso se encaixa muito bem na descrição que diz que a besta carrega essa igreja nas suas costas, porque o verdadeiro poder por trás dessa igreja não é outro senão Satanás e os demônios.

A Bíblia diz que Satanás será acorrentado e confinado em um “poço sem fundo” e que depois disso ele será solto, mas somente por um curto período de tempo. Embora pela maneira que isso está escrito isto pareça mais um enigma, a Bíblia é muito específica no que se refere a quando isso acontecerá.

Esse “poço sem fundo” é mencionado pela primeira vez na descrição dos acontecimentos anunciados pela Quinta Trombeta. A Bíblia diz que a fumaça começa a subir, simbolicamente, desse poço quando se cumpre a fase espiritual da Quinta Trombeta. (Apocalipse 9:1-3). Essa fase já estava concluída quando Deus permitiu que Satanás perseguisse a Igreja de Deus. Esse período de tempo já passou.

Mas a fase física da Quinta Trombeta ainda não se cumpriu. A fumaça subindo do poço representa o momento em que Satanás será solto novamente. O que significa que Deus já não vai impor certas restrições a Satanás e ele poderá exercer livremente sua influência sobre dez nações da Europa e levá-las a uma última grande guerra, uma guerra nuclear, a Terceira Guerra Mundial.

Deus permitiu que Satanás exercesse sua influencia sobre os diferentes ressurgimentos do Império Europeu. Quando um ressurgimento termina, Deus impõem novamente restrições a Satanás e não lhe permite exercer tal poder e influência para levar as nações à guerra até chegar o momento do próximo ressurgimento. E então Deus permite que ele faça isso novamente. Deus permite que Satanás saia desse poço sem fundo novamente. Deus vai soltar a Satanás do lugar de restrição onde ele está agora pela última vez, para que Satanás exerça sua influencia sobre essas dez nações da Europa e elas se unam com o propósito de causar uma guerra. Quando essas nações puderem se unir como uma única potência, sem ter que levar a carga do resto das nações da atual União Europeia, isso levará essas nações à Terceira Guerra Mundial.

É muito importante que você entenda a importância do que vou dizer no seguinte parágrafo.

Mesmo que Deus não estivesse no controle de quando tudo isso aconteceria e Satanás não fosse ser solto quando ele será solto, essas nações começariam uma guerra. Especialmente agora, neste tempo do fim. Aconteça o que acontecer, este mundo está caminhando a passos gigantes em direção a Terceira Guerra Mundial. Isto é o resultado do fato de que as pessoas e as nações tenham se tornado tão corruptas em sua maneira de pensar. Se Deus não intervir exatamente da maneira que Ele vai intervir, essa guerra vai durar muito mais tempo e causará muito mais angústia e sofrimento. Porque então esse será um conflito apavorante e prolongado. Mas Deus não somente vai intervir para impedir que os seres humanos se destruam, mas Ele também vai abreviar tudo isso, para assim reduzir a intensidade e encurtar a duração do sofrimento humano.

Abismo, ou poço sem fundo, é simplesmente uma descrição física, que vem de duas palavras. Uma delas significa “abismo” (também traduzida como sem fundo) e a outra palavra significa “poço”, e é frequentemente usada para descrever uma cisterna, um lugar preparado para reter água.

É muito difícil descrever algo que é de natureza espiritual usando exemplos de coisas físicas. Esse lugar mencionado aqui é simplesmente uma condição espiritual e está especialmente preparado para limitar a capacidade de Satanás de exercer todo o seu poder. É uma condição na que uma grande parte de seu poder está limitado; principalmente seu poder para incitar as pessoas à guerra. Isso é algo que Deus não permite que Satanás faça até que seja o momento para isso. Pode ser difícil entender essas coisas, mas é Deus quem controla quando tudo isso ocorre, para cumprir Seu propósito de libertar os seres humanos da maneira mais eficaz.

Durante os períodos de tempo que Deus impede que Satanás use todos os seus poderes, isso não significa que Satanás já não tenha poder. Mesmo estando limitado nesse abismo espiritual, Satanás ainda pode transmitir certas atitudes à mente humana e exercer sua influência sobre os seres humanos. Mas, em um determinado momento, no fim da presente era, pouco antes que o Reino de Deus seja instituído sobre as nações e comece o Milênio, Satanás será aprisionado. E durante 1.000 anos ele não vai poder exercer QUALQUER PODER ou influência sobre os seres humanos.

Satanás vai subir desse abismo, desse poço sem fundo, vai sair dessa condição de restrição espiritual, no final do sétimo e último ressurgimento, que começou a tomar forma na década de 1950. Esse último ressurgimento é representado pelos dez chifres. Isso é mencionado novamente alguns versículos mais adiante. Deus então vai permitir que Satanás exerça mais poder sobre esses dez chifres (essas dez nações), fazendo com que seus líderes se unam e comecem uma guerra. E embora Satanás possa se esforçar ao máximo exercendo toda a sua influência sobre esses governantes para que eles façam o que ele quer, esses governantes sãos os que decidem se eles se curvarão ou não a influência de Satanás.



A besta que antes era, mas já não é

Quando você lê esse versículo em Apocalipse 17, que diz que a besta, Satanás, antes era, mas já não é, isso parece um enigma. A única maneira de entender isso é se você entende que durante todos esses ressurgimentos Deus não limita os poderes de Satanás.

Aexpressão “a besta que antes era” pode se referir a qualquer período de tempo em que Satanás estava ativo durante um dos ressurgimentos na Europa, quando ele não estava em um estado de restrição nesse abismo espiritual. Mas esse versículo aqui se refere a um período de tempo muito específico. Isso se refere à última vez em que ele não estava limitado. Esse período de tempo foi quando ele estava trabalhando com a Alemanha e a Itália, exercendo diretamente seu poder e influência sobre Hitler e Mussolini.

Mas quando a Segunda Guerra Mundial terminou, Satanás foi confinado novamente. E essa é a sua condição atual. Ele agora não está exercendo todo o seu poder porque ele está confinado nesse abismo espiritual, uma condição na que ele já está há quase 75 anos.

Mas mesmo estando limitado espiritualmente, Satanás ainda pode exercer sua influência e seu poder, transmitindo sua atitude espiritual à mente das pessoas, manipulando e enganando as pessoas. Deus nem sempre permite que ele use todo o seu poder e influência como “o destruidor” para causar destruição e guerras. Satanás tem muitos nomes, que descrevem suas más ações. Um desses nomes mencionados na Bíblia é Apoliom, que significa “o destruidor’. E aqui nesse versículo podemos ler o que acontecerá com ele depois desse período de tempo:

A besta que você viu antes era, mas já não é. Ela está a ponto de subir do abismo e caminha para a perdição. (Apocalipse 17:8)

O que é descrito aqui é o momento quando Satanás vai sair desse abismo espiritual, desse lugar de restrição. Será então quando ele exercerá sua influência para acelerar todo esse processo e incitar as nações à inevitável Terceira Guerra Mundial. E aqui diz que quando isso termine ele “caminha para a perdição”. A palavra “perdição” é usada de várias maneiras diferentes e pode significar “destruição, perecer, morrer”. O modo como essa palavra é usada nesse versículo tem um duplo objetivo. Porque quando Satanás for solto ele vai incitar as pessoas e as nações a começar a Terceira Guerra Mundial, uma guerra nuclear a grande escala. Suas ações levarão a uma grande destruição e a morte de milhões de pessoas. Mas esta será a última vez que Satanás vai poder provocar uma guerra e causar uma destruição tão grande. Embora mais adiante ele vai tentar fazer isto novamente.

A Europa responderá a Satanás exatamente do jeito que ele quer e vai começar uma grande guerra nuclear contra outros países. Mas até onde a Europa irá com tudo isso é sua própria escolha.

A Terceira Guerra Mundial é realmente a guerra que vai pôr fim a todas as guerras. Deus nunca mais permitirá outra guerra depois que Ele ponha fim ao autogoverno dos seres humanos na Terra. Deus vai intervir e vai pôr fim na Terceira Guerra Mundial e depois Ele vai instituir a paz na Terra; e a paz reinará sobre os seres humanos durante os próximos 1.000 anos. Deus nunca mais vai permitir que hajam guerras. Isso faz parte das “boas novas” (do evangelho) do Reino de Deus, porque quando o governo de Deus seja instituído na Terra, isso vai trazer a paz.

E ao mesmo tempo em que Satanás agita as coisas e provoca uma última grande guerra, que causará muita destruição e morte, ele caminha em direção à sua própria destruição e morte. Ao provocar essa última guerra, ele está caminhando em direção a próprio destino, embora isso só será efetuado muito depois.

Agora, “a besta que antes era, mas que já não é, e, entretanto, virá”.

A última parte desse mesmo versículo também foi escrita na forma de um enigma, mas é diferente do que está escrito na primeira parte do versículo. Preste atenção:

A besta que você viu, antes era, mas já não é. Ela está a ponto de subir do abismo e caminha para a perdição. Os habitantes da Terra, cujos nomes não foram escritos no livro da vida desde a criação do mundo, ficarão admirados quando virem a besta, porque ela antes era, agora já não é, e, entretanto, virá. (Apocalipse 17:8).

Primeiro você precisa entender quem são as pessoas cujos nomes sim foram escritos no livro da vida. Isso não tem nada a ver com predestinação, como alguns ensinam. Como eu disse antes - e falarei sobre isso mais detalhadamente mais adiante - aqueles cujos nomes foram escritos no livro da vida são as pessoas com quem Deus trabalhou em diferentes épocas nos últimos 6.000 anos. Eles são os que virão com Cristo para governar a Terra. Eles foram chamados para esse fim desde a fundação do mundo, quando Deus colocou os seres humanos na Terra.

Eles são os que serão ressuscitados à vida espiritual quando Cristo voltar. Eles então serão seres compostos de essência espiritual, mas poderão se manifestar em forma física, como Cristo depois que ele ressuscitou. O plano de Deus desde o começo, antes da fundação do mundo, é que haverá 144.000 indivíduos que regressarão com Cristo quando ele vier. Eles são aqueles a quem Deus “escolheu” ao longo de 6.000 anos para fazer parte da primeira ressurreição, para ressuscitar à vida espiritual quando Cristo voltar. Eles são aqueles cujos nomes estão escritos no livro da vida até agora. Muitos deles são mencionados por seu nome na Bíblia, mas a maioria deles não é mencionada

Os que são mencionados nesse versículo como aqueles “cujos nomes não foram escritos no livro da vida” são aqueles que viverão no Milênio e serão governados pelo Reino de Deus. Eles saberão (verão) o que Satanás fez contra Deus e contra os seres humanos durante esses 6.000 anos. Eles ficarão surpresos e saberão que esse ser e os demônios não estarão mais entre os seres humanos para enganá-los e prejudicá-los.

Todos os que viverão durante o Milênio saberão que Satanás era a besta que “antes era”, mas agora “já não é”, porque então Satanás já não estará entre os seres humanos. Todos eles também entenderão (verão) que Satanás, a besta, ainda existe, “entretanto, virá”. As pessoas que viverão durante esses 1.000 anos saberão e crerão a verdade que está escrita na Bíblia. Eles saberão que este ser será retirado da presença dos seres humanos, mas que ele será solto por um curto período de tempo quando o Milênio terminar.

Esse versículo sobre a besta - sobre Satanás - é um versículo profético. Primeiro esse versículo fala sobre o sétimo e último ressurgimento e depois ele fala sobre o período de tempo que se segue, quando Satanás será colocado num poço sem fundo (num abismo espiritual) que permanecerá selado por 1.000 anos. Esses 1.000 anos começarão logo depois que Cristo voltar, como podemos ler em Apocalipse 20:1-3.



A revelação que foi dada ao Sr. Herbert Armstrong

A continuação esses versículos dão uma visão geral das coisas que acontecerão depois disso. Aqui a ordem dos acontecimentos é descrita em uma espécie de “esquema” que nos leva a contagem regressiva para a Terceira Guerra Mundial e a vinda de Cristo.

Aqui se requer mente sábia. As sete cabeças são sete montes sobre os quais está sentada a mulher. (Apocalipse 17:9).

Essa sabedoria se refere a algo que os seres humanos podem ter e que vem da mente de Deus, pois isto é a palavra (logos) de Deus. Deus é quem dá essa sabedoria às pessoas, porque isso não vem do intelecto humano. Somente Deus pode dar “essa sabedoria”. E Deus deu essa sabedoria ao Sr. Herbert Armstrong, para que ele pudesse entender que esses versículos se aplicam ao tempo do fim.

Deus deu ao Sr. Herbert Armstrong o entendimento de que na Bíblia a palavra monte é usada para se referir profeticamente às grandes nações ou reinos. Nesse versículo, Deus revela claramente que essa mulher, a igreja católica, montou em cada uma dessas bestas durante seus ressurgimentos. Porém, depois do quinto ressurgimento, que foi liderado por Napoleão, essa mulher deixou de ter o poder e a influência que ela desfrutava desde os tempos do imperador Justiniano. No entanto, sua presença e influência durante esses períodos de tempo é o que fez da Europa o que a Europa é hoje.

São também sete reis. Cinco já caíram, um ainda existe, e o outro ainda não surgiu; mas, quando surgir, deverá permanecer durante pouco tempo. (Apocalipse 17:10).

Houve somente um período de tempo na história, que durou apenas alguns anos, quando esse versículo pôde ser lido com esse significado específico, que se aplicava a esse mesmo período de tempo. O significado desse versículo foi revelado ao Sr. Herbert W. Armstrong no momento exato em que isso estava se cumprindo.

Deus então revelou ao Sr. Armstrong que haveria um último ressurgimento do antigo Império Romano (embora não com esse nome) antes de que Josué, o Cristo, volte. Nessas profecias, Deus deu ao Sr. Armstrong a compressão de que ao todo haveriam sete ressurgimento.

Em um determinado momento, quando a Segunda Guerra Mundial estava chegando ao fim, Deus revelou ao Sr. Armstrong que esse versículo era profético e que estava sendo cumprido naquele exato momento através do que estava acontecendo então. O Sr. Armstrong sabia que haveria sete ressurgimentos, cada um liderado por um importante governante. Como mencionei antes, o quinto ressurgimento foi liderado por Napoleão. E quando Deus revelou ao Sr. Herbert Armstrong o significado desse versículo, Hitler estava à frente do sexto ressurgimento.

Com o entendimento que Deus havia lhe dado sobre esse versículo, o Sr. Herbert Armstrong pôde ver que haveria sete reis, sete governantes, e que cada um deles estaria à frente de um dos sete ressurgimentos. Cinco deles já tinham caído e o sexto estava governando na época, durante a Segunda Guerra Mundial. Desses sete reis, cinco já tinham surgido, já tinham reinado, e tinham caído, e um deles - Hitler - estava reinando então. Mas o sétimo e último deles “ainda não tinha surgido”.

Neste versículo está escrito que quando o sétimo e último desses reis surja, ele deve reinar por um curto espaço de tempo. Esse sétimo ressurgimento – a Terceira Guerra Mundial – vai durar pouco. Essa guerra será muito mais curta do que todas as guerras anteriores, mas devido às armas modernas que serão usadas, a destruição que ela causará será muito maior que a destruição causada por todos os seis ressurgimentos anteriores juntos.

A linguagem usada para descrever esses ressurgimentos está relacionada principalmente com a destruição e a guerra. Embora o impulso para um ressurgimento possa começar muito antes da guerra que o ressurgimento pressagia, o principal objetivo desses ressurgimentos é a guerra. Mas felizmente aqui diz que isso será de curta duração (deverá permanecer durante pouco tempo). Isso é enfatizado aqui porque esta será uma guerra nuclear que pode destruir todo o planeta Terra inteira em muito pouco tempo. Mas Deus não permitirá que isso dure muito. Quando essa guerra chegar a um determinado ponto, Ele vai intervir e acabar com isso.

O seguinte versículo continua em forma de enigma e descreve a besta, Satanás.

A besta que era, e agora não é, é o oitavo rei. É um dos sete, e caminha para a perdição. (Apocalipse 17:11)

E como entendemos o que foi dito até agora, fica claro a quem esse versículo se refere. Quem vai à perdição é Satanás. Satanás é a besta que dá poder a todos os ressurgimentos. Ele é o poder da besta, que trabalha durante esses ressurgimentos para causar a guerra. Satanás é a besta que “antes era, mas já não é” mencionada antes.

Satanás “é um dos sete” porque ele é o poder por trás de cada um dos ressurgimentos. E porque ele é um dos sete e está por trás de todos eles, ele é contado como o oitavo.



Dez nações que se unem como uma nação

Os dez chifres que você viu são dez reis que ainda não começaram a governar, mas vão receber autoridade para reinar com a besta durante uma hora. Esses dez têm um único propósito, e eles darão seu poder e sua autoridade à besta. (Apocalipse 17:12-13)

Os dez chifres simbolizam dez reis que receberão poder juntos, como “um único reino” neste sétimo ressurgimento.

Quando isso acontecer, dez países chegarão rapidamente a um acordo para usar armas nucleares. Mas essas nações só estarão unidas neste acordo por um curto período de tempo, porque logo surgirão desacordos e desavenças entre elas. Pouco antes disso, Satanás terá sido solto do poço sem fundo, do abismo espiritual. Seus poderes já não estarão limitados. Ele então se apressará em manipular os acontecimentos de tal maneira que essas dez nações pensarão que devem se unir como uma única nação para sobreviver ao que estará acontecendo no mundo.

Está escrito que esses reis receberão autoridade para reinar durante uma hora junto com a besta. O reino que vai surgir desse acordo não estará muito unido. Depois que eles fizerem essa aliança eles já não poderão desfazer o que fizeram, embora eles vão desejar poder desfazer isso. Uma vez que tudo esteja em andamento e isso leve as nações a uma nova guerra mundial, eles não poderão simplesmente “parrar” tudo isso.

Este último ressurgimento é descrito de uma maneira um pouco diferente no livro de Daniel. Essa descrição nos fornece mais informação sobre as debilidades inerentes a esse ressurgimento. Primeiro seria bom ler novamente o que foi dito no capítulo 3 sobre a profecia de Daniel e, em seguida, vamos a estudar essa profecia com mais detalhes.

Deus deu a Daniel a capacidade de interpretar um sonho que teve o rei Nabucodonosor. Daniel então contou ao rei Nabucodonosor o que o rei tinha visto em seu sonho e também lhe disse a interpretação do sonho. Em seu sonho, o rei viu uma estátua feita de diferentes metais da cabeça aos pés. A primeira parte, a cabeça, era de ouro. Daniel disse ao rei Nabucodonosor que a cabeça representava a ele e ao grande reino que ele então governava, o Império Babilônico.

Daniel também lhe falou sobre outros três grandes reinos que surgiriam ao longo dos séculos, até o final da era do autogoverno do homem, quando Deus vai intervir para estabelecer Seu Reino na Terra. O segundo reino representado pela estatua era o Império Medo-Persa, o terceiro o Império Greco-Macedônio e o quarto o Império Romano ou os Impérios da Europa.

As pernas da estátua representavam o último reino. As pernas eram de ferro, mas os pés e os dedos dos pés eram de uma mistura de ferro e barro.

Depois, virá um quarto reino, e este será forte como o ferro, que quebra e despedaça tudo. E assim como o ferro quebra tudo, esse reino destruirá completamente todos os outros reinos do mundo. Na estátua que o senhor viu, os pés e os dedos dos pés eram uma parte de ferro e outra de barro. Isso quer dizer que esse reino estará dividido, contudo, haverá nele alguma coisa da firmeza do ferro; pois, como o senhor viu, o ferro estava misturado com o barro.

Os dedos dos pés eram uma parte de ferro e outra de barro; isso quer dizer que o reino, por um lado, será forte, mas, por outro, será fraco.

Nos dias desses reis, o Deus do céu levantará um reino que nunca será destruído, nem passará a outro povo. [Esse reino não será governado por homens, mas por Cristo e pelos 144.000]. Pelo contrário, esse reino acabará com todos os outros e permanecerá para sempre. (Daniel 2: 40-42, 44)

Nesta profecia, que Deus deu a Daniel séculos antes de revelar a João as coisas que João escreveu no livro do Apocalipse, Deus profetizou a ascensão e queda dos reinos mais importantes que reinariam na Terra até a volta de Cristo, no Reino de Deus. Nas profecias de Daniel, Deus revela coisas que mostram o momento exato da primeira vinda de Cristo e também muitas coisas sobre a segunda vinda de Cristo.

Esses versículos no libro de Daniel revelam que o Império Romano seria forte como ferro até o fim. Mas esses versículos também revelam que os pés e os dez dedos da estátua são de uma mistura de ferro e barro. E esta é uma descrição muito exata de algo que Deus estava revelando sobre esta última parte da estátua, que representa o antigo Império Romano (um Império Europeu). Império que se unirá por um curto período de tempo já no final. Por um lado, esse império teria muito poder, mas, por outro, seria muito fraco. Esse império não permaneceria unido. Isto é o que podemos ver agora na União Europeia. Essa união tem muito poder, no entanto, é uma união muito frágil.

Em Apocalipse 17 está escrito que esses dez reis receberão autoridade por uma hora junto com a besta. Satanás, é claro, é a besta que uniu esses reis com o único propósito de provocar uma guerra nuclear. E quando ele fizer isso, esses reis “entregarão seu poder e autoridade à besta”, a Satanás.

Já mencionei antes que dez das vinte e oito nações da União Europeia já fizeram um acordo militar. E quais serão essas dez nações especificamente é algo que ainda pode mudar, mas no final serão dez nações.

A expressão por uma hora mencionada aqui se refere definitivamente a um tempo profético e talvez seja um período de 60 dias, já que Deus revelou o que isso significa em profecias semelhantes a essa. Embora, por enquanto, não saibamos com certeza se esse é o caso aqui, algo que está claro é que o cenário mundial já está pronto para essa última guerra.



O que vai acontecer agora

Antes neste capítulo eu mencionei que quando a Segunda Guerra Mundial estava chegando ao fim, Deus deu ao Sr. Herbert W. Armstrong a compreensão de que dentro de pouco tempo a Europa se ergueria novamente no sétimo e último ressurgimento. O Sr. Armstrong explicou que essa união de nações teria um governo comum, com uma moeda comum, e que dez nações dessa união formariam uma aliança militar e estariam implicadas em uma última guerra - uma guerra nuclear.

O Sr. Armstrong também disse que essa aliança de dez nações seria liderada pela Alemanha. Ele disse tudo isso logo depois que a Segunda Guerra Mundial tinha terminado. E, na época, para muitos isso pareceu algo ridículo, porque era impensável que a Alemanha pudesse se erguer novamente e muito menos como líder de tal aliança. E, embora pudesse parecer inconcebível então, isso é exatamente o que está acontecendo agora.

Isso era algo simplesmente impensável, porque os europeus sentiam uma grande aversão à Alemanha por causa das atrocidades que os alemães tinham cometido. Isso também era impensável porque toda a indústria alemã tinha sido praticamente destruída quando suas cidades foram bombardeadas. Era absurdo pensar que a Alemanha pudesse renascer das cinzas e se tornar uma nação tão importante e poderosa como para chegar a liderar uma Europa unida.

Mas não muito tempo depois disso, em 1957, surgiu a iniciativa de unir a Europa criando a Comunidade Econômica Europeia. A verdade é que a Europa começou a se erguer novamente logo depois da Segunda Guerra Mundial. E agora, mais de 70 anos depois da Segunda Guerra Mundial, o cenário na Europa está preparado para a Terceira Guerra Mundial, pois a última coisa que o Sr. Herbert Armstrong predisse se cumpriu recentemente e a União Europeia agora já tem um exército comum.

E o que vai acontecer agora? Você saberá com toda certeza a ordem dos profetizados acontecimentos que nos levarão às horríveis catástrofes do tempo do fim quando você ler o que a profecia diz que acontecerá a continuação. O seguinte acontecimento que foi profetizado é a total destruição dos Estados Unidos. Todo o mundo será plenamente consciente desses catastróficos acontecimentos à medida que eles se desenrolam. Todos verão o que estará acontecendo, mas não saberão o que isso significa nem o que acontecerá depois. Mas Deus profetizou tudo isso para nós. Podemos estar alertas e bem preparados para tudo isso.

E isso vai acontecer antes que comece uma guerra nuclear entre as nações do mundo. Então armas nucleares serão usadas, mas ainda não será uma grande guerra nuclear.

O que acontecerá com os Estados Unidos será apenas o começo dos catastróficos acontecimentos do tempo do fim. Todos esses catastróficos acontecimentos, que em breve ocorrerão no mundo, são revelados nas profecias do livro do Apocalipse. Da mesma maneira que Deus revelou ao Sr. Herbert Armstrong sobre o último ressurgimento de um Império Europeu, ressurgimento que agora já está chegando ao fim, Deus também revela os acontecimentos que levarão à destruição total dos Estados Unidos. E isto é oque vai acontecer agora!